Uma hipótese alentadora: mudança do motor?

Alta nos investimentos pode ser bom sinal para economia brasileira

Indicador que reflete produção interna de máquinas e equipamentos registrou crescimento três vezes maior do que o consumo familiar

27/02/2014 | 10h20

A boa surpresa do desempenho da economia no último trimestre, de crescimento de 0,7% frente a expectativas que rondavam entre 0,1% e 0,3%, está associada a outra hipótese de sinal positivo no boletim de comportamento da atividade no país, também inesperada. No ano passado, a expansão do indicador atrelado ao investimento, que atende pelo complicado nome de "formação bruta de capital fixo", de 6,3%, foi quase o triplo do aumento no consumo das famílias.

PIB brasileiro é o terceiro mais alto do mundo em 2013, veja gráfico

Muitos críticos do modelo de desenvolvimento do Brasil atribuíram ao excesso de foco no consumo a origem da dificuldades que o país enfrentou para fazer sua economia decolar. Alimentado por crédito fácil e farto, os gastos dos cidadãos tropeçaram na inadimplência e encontraram limites tanto no orçamento doméstico quanto na própria satisfação da chamada demanda reprimida – depois que compram o primeiro carro, a primeira geladeira, o primeiro ar-condicionado, as famílias fazem uma parada técnica.

Ainda é cedo para garantir que o avanço de 6,3% no dado que reflete produção interna de máquinas e equipamentos será a mudança de motor tão desejada pelos brasileiros, até porque a desconfiança dos empresários, que apertam o botão desse indicador, só fez aumentar nos últimos meses. Mas se há dados alentadores no eletrocardiograma da economia do país, esse é um dos principais.

E não se pode desmerecer o fato de que, embora desacelerado, o aumento no consumo das famílias tenha alcançado a primeira década completa de ascensão, comportamento refletido pela primeira vez na história documentada do indicador.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.