Operação Leite Compen$ado 4

300 mil litros de leite adulterado das marcas Parmalat e Líder foram para o mercado

Produtos contaminados com ureia, soda cáustica e água oxigenada foram enviadas a São Paulo e Paraná

14/03/2014 | 11h07
300 mil litros de leite adulterado das marcas Parmalat e Líder foram para o mercado  Stéfanie Telles/Especial
Soda cáustica foi encontrada em uma propriedade investigada pela Operação Leite Compen$ado 4 Foto: Stéfanie Telles / Especial

Cerca de 300 mil litros de leite adulterado das marcas Parmalat e Líder foram postos à venda no mercado. Os locais que receberam o leite fraudado são de São Paulo e do Paraná. Rio Grande do Sul e Santa Catarina não teriam recebido lotes. Conforme o Ministério Público do RS, os produtos com problemas foram apenas para unidades em Guaratinguetá (SP) e Lobato (PR).


::: Novo núcleo de fraude no leite é descoberto e uma pessoa é presa


As duas marcas envolvidas são da empresa gaúcha LBR. Zero Hora entrou em contato com o grupo, que deve se posicionar ainda nesta sexta-feira. A LBR já havia sido envolvida nas investigações da primeira Operação Leite Compen$ado.


As informações foram obtidas após investigação do Ministério Público (MP), chamada de Leite Compen$ado 4, que resultaram em uma prisão preventiva e mandados de busca e apreensão em propriedades de oito municípios do Noroeste do Estado. O MP constatou que foram adicionados três produtos ao leite: ureia – que contém formol, uma substância cancerígena –, água oxigenada e soda cáustica.


O leite que chegou às prateleiras foi transportado à indústria Bom Gosto, em Tapejara, e, de lá, enviado a São Paulo e Paraná, onde foram industrializados e encaminhados ao mercado.


MP investiga compras de toneladas de produtos para fraude desde 2009


Só nas apreensões feitas na propriedade do empresário Odir Pedro Zamadei, foram apreendidos 600 quilos de soda cáustica. Zamadei é reincidente no crime. Ele responde por um caso de adulteração de leite no Rio Grande do Sul. Em 2007 ele também foi condenado por crime ambiental em Santa Catarina. 


Durante a investigação, o MP pediu para que a inteligência da Receita Estadual fizesse pesquisa sobre as compras de empresários e transportadores investigados e constatou-se que houve compras de toneladas de produtos para adulterar o leite desde 2009.


A quarta fase da operação iniciou em fevereiro, quando o MP recebeu documentos do Ministério da Agricultura comprovando a adição de formol em 12 amostras de leite cru coletadas em um posto de resfriamento localizado no Noroeste. Segundo o Ministério da Agricultura, parte do leite adulterado foi entregue a uma empresa de laticínios, que colocou o produto à venda no mercado.


A operação Leite Compen$ado foi lançada em 8 de maio de 2013 pelo MP e Ministério da Agricultura. Desde então, foram descobertos três núcleos de adulteradores de leite, em seis municípios: Ibirubá, Ronda Alta, Boa Vista do Buricá, Horizontina, Guaporé e Três de Maio. Os grupos adicionavam ureia, água, formol, água oxigenada ou bicarbonato de sódio no leite.


Entenda como funciona o esquema:




VEJA TAMBÉM

     
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.