Impasse

Sindiliquida bloqueia entrada e saída de caminhões da base petrolífera de Canoas da Ipiranga

Sindicato exige contratação de um operador de combustível na base da empresa em Passo Fundo

10/03/2014 | 13h25
Sindiliquida bloqueia entrada e saída de caminhões da base petrolífera de Canoas da Ipiranga Charles Dias/Especial
Cerca de 150 caminhões foram impedidos de entrar no pátio da Ipiranga em Canoas Foto: Charles Dias / Especial

Desde a madrugada desta segunda-feira, representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Cargas Líquidas do RS (Sindiliquida) bloqueiam a entrada e saída de caminhões do Terminal Petrolífero da Ipiranga, em Canoas.

O protesto faz parte do “estado de greve”, decretado pelo Sindiliquida no dia 25 de fevereiro, após a entidade e a Ipiranga Produtos de Petróleo não firmarem um acordo sobre a contratação de um operador para o abastecimento dos caminhões na base de Passo Fundo, onde há um chamado pool petrolífero formado pela Ipiranga, que administra a base, a BR Distribuidora e a Raízen. Neste terminal são os motoristas os responsáveis pelo procedimento.

Todas as bases petrolíferas do Rio Grande do Sul têm operadores capacitados para fazer o carregamento de combustível, apenas na base de Passo Fundo, que não há. Conforme o vice-presidente do Sindiliquida, Marcelo Flores, novas paralisações nas bases da Ipiranga em Santa Maria, Rio Grande, Uruguaiana e Cruz Alta estão previstas para os próximos dias. O sindicato questiona os riscos à saúde dos caminhoneiros.

– A Ipiranga poderia contratar operadores. Mas opta por utilizar uma categoria, onde não há nenhum controle sob esse motorista – explica Marcelo.

A Ipiranga informou, através da assessoria de imprensa, que opera em todas as suas bases de distribuição de combustíveis no Brasil dentro dos mais rígidos padrões de segurança, em conformidade com a legislação brasileira e em alinhamento a práticas internacionais. O carregamento de caminhões-tanque no Terminal Petrolífero de Passo Fundo é realizado por motoristas, treinados periodicamente e supervisionados pelas empresas distribuidoras.

Sobre a paralisação da base de Canoas, a Ipiranga informou que a obstrução dos portões de acesso pelo Sindiliquida contraria ordem judicial.

Em agosto do ano passado, o terminal de Passo Fundo chegou a ser interditado por decisão do Ministério do Trabalho, mas uma liminar foi concedida para que a paralisação das atividades não impactasse no abastecimento dos municípios atendidos pela base. No último dia 18 de fevereiro, a Justiça manteve a liminar que garante o funcionamento terminal.

O Sindiliquida afirma que continua em estado de greve.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.