Endividados

SPC estima que 52 milhões de consumidores estejam inadimplentes no país

Para CNDL, alta dos juros e a inflação fazem com que as pessoas tenham mais dificuldades para pagar as dívidas

13/03/2014 | 16h07

O Brasil tem cerca de 52 milhões de consumidores que deixaram de pagar pelo menos uma dívida, nos últimos cinco anos, segundo estimativa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). É a primeira vez que a empresa divulga a estimativa de consumidores inadimplentes. Para fazer projeção, foi analisada a base de dados do SPC Brasil e de mais duas empresas do setor, com exclusão de dados comuns nos cadastros negativos. Também foram excluídas dados de pessoas com mais de 90 anos, uma vez que pode haver CPF de pessoas mortas usado fraudulentamente. Foram ainda utilizados dados do Sistema Único de Saúde (SUS) para verificar número de mortos.

O SPC Brasil também informou nesta quinta-feira que número de consumidores inadimplentes (somente na base de dados da empresa) subiu 5,54% em fevereiro deste ano, comparado com igual período de 2013. Esses dados são referentes a contas atrasadas de água, luz, gás e dívidas com os bancos e com o comércio.

O presidente da Câmara Nacional de Dirigentes Logistas (CNDL), Roque Pellizzaro Junior, considera que não há nenhum fator que possa fazer com que o número de inadimplentes caia. Mas, para Pellizzaro, a estabilidade desse dado "mostra que o risco de bolha de crédito não existe".

- Não vejo nenhum fator para os próximos 12 meses que possa vir a gerar mais recursos ou maior folga no orçamento das famílias. Pelo contrário, há inflação, expansão de renda menor, índices de emprego mais estáveis. Vamos estar bem se não houver nenhuma alta nesse número - disse.

Os dados do SPC Brasil também indicam que o número de dívidas registradas na base de dados da empresa cresceu 3,02% em fevereiro, na comparação com igual mês de 2013. Essa é a terceira maior taxa registrada nos últimos 12 meses. Em relação a janeiro, o crescimento ficou em 0,80%.

Para Pellizzaro, a alta dos juros e a inflação fazem com que as pessoas tenham mais dificuldades para pagar as dívidas. Além disso, em fevereiro, os consumidores tiveram despesas extras com compra de material e pagamento de matrícula escolar.

Apesar disso, Pellizzaro não considera que os brasileiros estejam endividados.

— Pelo nível histórico, está sob controle. Uma pessoa com duas dívidas em média consegue pagar. Ela tem capacidade de pagar restringindo a despesa. Enquanto esses números estiverem sob controle, é porque ainda não temos um cenário de superendividamento no país — ressaltou.

Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.