Caça a irregularidades

Helicóptero da Receita Federal sobrevoa o Rio Grande do Sul à procura de construções envolvidas em sonegação fiscal

Nos dias 2 e 3 de abril, aeronave estará nas cidades de Novo Hamburgo, São Leopoldo, Campo Bom e Ivoti

02/04/2014 | 16h44
Helicóptero da Receita Federal sobrevoa o Rio Grande do Sul à procura de construções envolvidas em sonegação fiscal divulgação/divulgação
Helicóptero faz voos de até 1h30min, o que possibilita checar 200 imóveis possivelmente irregulares Foto: divulgação / divulgação

Moradores de Novo Hamburgo, São Leopoldo, Campo Bom e Ivoti podem se surpreender ao olhar para cima nos dias 2 e 3 de abril. É que o helicóptero da Receita Federal, responsável pela chamada Operação Sobrevoo, estará sobrevoando essas cidades à procura de construções imobiliárias envolvidas em possíveis sonegações fiscais. A partir do dia 4, a aeronave passa a operar na região de Santa Cruz do Sul.

A identificação de contribuintes possivelmente envolvidos em negócios irregulares é feita com base nas informações prestadas pelas prefeituras municipais, que repassam à RF as informações prestadas pelos contribuintes. Com isso, são identificados imóveis que não teriam sido regularizados.

A Operação Sobrevoo começou em julho de 2013 e identificou 590 contribuintes, que foram intimados a autorregularizar sua situação junto à RF. Cerca de 70% deles ajustaram suas contas, contribuindo com R$ 4,8 milhões. "Dos que não regularizaram, 134 já foram autuados, elevando os valores devidos para R $3,9 milhões de reais", aponta o comunicado da RF.

Com a operação, a RF planeja identificar com maior precisão o estágio de construção e o padrão dos imóveis possivelmente irregulares dessas cidades, por meio de gravações em alta definição. Cada voo dura cerca de 1h30min, o que possibilita checar 200 construções. A RF garante que a privacidade dos moradores é respeitada.

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.