Mais cara

Conta de luz terá reajuste adicional de 2,6 ponto percentual em 2015, aponta ministério

Em 2016, o aumento extra será ainda maior, de 5,64 ponto percentual e, no ano seguinte, a parcela acrescida será de 1,4 ponto percentual

Atualizada em 06/08/2014 | 16h3006/08/2014 | 14h38

Correção: Das 14h38min até as 16h21min, este site informou equivocadamente que o reajuste da conta de energia elétrica seria de 2,6%. Na verdade, o reajuste adicional será de 2,6 ponto percentual em 2015. O texto foi corrigido.

O Ministério de Minas e Energia reafirmou, em nota divulgada na tarde desta quarta-feira, que o custo do empréstimo bancário coordenado pelo governo para socorrer o setor de distribuição de energia elétrica terá impacto nas tarifas de luz de 2,6 ponto percentual em 2015. Esse acréscimo vai incidir sobre o reajuste habitual, na data de aniversário dos contratos de cada uma das distribuidoras de energia. Especialistas estimam que os reajustes totais, considerados todos os impactos, alcancem até 30%. Neste ano, duas empresas que atuam no Rio Grande do Sul tiveram aumentos na tarifa entre 20% e 30%.

Os números sobem em 2016, quando o aumento adicional sobre os reajustes será de 5,64 ponto percentual — em 2017, as tarifas ainda terão parcela acrescida, mas menor, de 1,4 ponto percentual. A divisão do aumento adicional em três parcelas já havia sido anunciados pelo secretário-executivo da pasta, Márcio Zimmermann, na última semana.

Leia todas as notícias de Zero Hora
Caio Cigana: tarifaço acima de 20% aos consumidores da RGE
Alta na conta da luz motiva estratégias para equilibrar o orçamento
Consumidores devem encarar tarifaço na conta de luz até 2018

Segundo a nota, esses índices consideram o montante de R$ 17,7 bilhões da Conta-ACR (Conta no Ambiente de Contratação Regulada), que foi criada para cobrir as despesas das concessionárias de distribuição de energia. Ainda no documento, o ministério destaca que o vencimento das concessões de geração a partir de janeiro de 2015, cuja energia será contratada sob o regime de cotas de garantia física e de potência, "irá amenizar significativamente o custo da operação de crédito contratada com um sindicato de bancos, públicos e privados". O prazo para amortização é de 24 meses, com carência até outubro de 2015.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.