Levantando âncora

Polos navais no Rio Grande do Sul preparam retomada

Número de vagas deve duplicar em relação ao atual a partir do próximo mês, quando as operações recuperam ritmo nos três centros do Estado voltados à montagem de plataformas de produção de petróleo

05/08/2014 | 05h03
Polos navais no Rio Grande do Sul preparam retomada Diego Vara/Agencia RBS
Em Charqueadas, polo do Jacuí recuperou perspectiva de manter contrato para fabricar módulos, de US$ 720 milhões Foto: Diego Vara / Agencia RBS

O início dos preparativos para a construção de três plataformas em Rio Grande e São José do Norte, mais a parceria entre as empresas Iesa e Andrade Gutierrez, em Charqueadas, afastam o clima de ressaca na indústria naval gaúcha. Com vários estaleiros operando e novas vagas abertas, o número de operários no setor pode duplicar, dos atuais 10,5 mil para mais de 20 mil em 2015 no Estado.

Leia todas as últimas notícias de Zero Hora

Com a conclusão da plataforma P-58 no estaleiro da QGI (ex-Quip), em dezembro passado, mais de 5 mil trabalhadores perderam o emprego em Rio Grande. As demissões não causaram muito impacto na época, já que a assinatura de novos contratos para fabricação de mais duas plataformas no Estado traria uma nova onda de contratações em poucos meses.

Atrasos na preparação e a demora para a nova convocação ao trabalho, no entanto, geraram clima de incerteza entre os operários. A admissão de 6 mil trabalhadores, antes prevista para abril, deve começar a partir de setembro, quando começar de fato a fase de construção.




No Estaleiro Rio Grande, operado pela Ecovix/Engevix, também em Rio Grande, são cerca de 8 mil operários no momento, entre empregos diretos e indiretos, atuando na fabricação de oito cascos construídos em série – chamados de "replicantes". O primeiro foi entregue em maio e outros dois já estão em estágio avançado.

Em São José do Norte, a empresa EBR trabalha na implantação da unidade industrial em seu estaleiro. São cerca de 800 profissionais terceirizados atuando na construção do cais, terraplenagem e dragagem. Com a conclusão da construção, o ritmo de produção de módulos para plataformas deve crescer.

– As obras da primeira fase de implantação do estaleiro estão em estágio avançado: 90% concluídas – afirma Luiz Felipe Camargo, gerente comercial e de marketing da EBR.

Em Charqueadas, operários compartilhavam a angústia vivida pelos colegas de Rio Grande. A crise financeira vivida pela Iesa Óleo e Gás levou ao atraso no pagamento de funcionários e deixou os trabalhos no polo do Jacuí em ritmo lento, obrigando a Petrobras a fazer uma intervenção para evitar novos adiamentos na fabricação de módulos. Não houve grande número de demissões, mas o polo opera hoje com apenas um quarto da capacidade. O Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos (Sindimetal) de Charqueadas reclama da alta rotatividade.

— É um entra-e-sai muito grande. A empresa contrata, mas ao mesmo tempo demite muitos. Nesse processo, já são umas 200 vagas a menos — calcula Jorge Luis Silveira de Carvalho, presidente do Sindimetal.

Acordo deve limitar número de demissões

O soldador Wellington Bastos, de 31 anos, foi um dos demitidos no mês de julho. Depois de passar por treinamento e trabalhar por cerca de 60 dias, foi dispensado com outros quatro colegas. Ele diz que pelo menos outros 20 foram demitidos no período que esteve lá.

— Não recebi explicação. A gente ouve que a crise é grande, mas ninguém sabe direito o que está havendo. Ainda nem recebi o dinheiro da rescisão. Quem sabe com a entrada dessa outra empresa, eu consiga meu emprego de volta — relata.

A esperança de Wellington está na chegada da Andrade Gutierrez ao polo do Jacuí, que na semana passada fechou acordo com a Iesa e deve se tornar sócia, salvando contratos que chegavam a US$ 720 milhões para construir módulos destinados a plataformas da Petrobras. Embora confirmada por várias fontes, a associação ainda não recebeu a homologação final da Petrobras, que administra o contrato de fornecimento. É só um procedimento burocrático, mas consolidaria a retomada.

Aluguéis em queda em Rio Grande e Charqueadas

Depois de disparar com a expansão dos polos e a chegada de milhares de trabalhadores a Rio Grande anos atrás, o preço dos aluguéis no município voltou a cair na primeira metade deste ano. A rescisão de contrato de milhares de trabalhadores forasteiros deixou vários imóveis desocupados na cidade, aumentando a oferta de residências disponíveis. De acordo com o Sindicato dos Corretores de Imóveis de Rio Grande, o preço médio de locação caiu 30% de janeiro a junho.

— Antes, havia disputa por um apartamento de dois quartos, que chega a R$ 2,8 mil por mês. Era preço de Rio de Janeiro. Hoje o valor está em R$ 1,8 mil e não há concorrência. Estamos de volta à realidade — conta Pedro Gomes da Silva Neto, dono da Imobiliária GS, uma das maiores da cidade.

Com a criação do polo do Jacuí, Charqueadas viveu processo bastante semelhante ano passado. A instalação de duas empresas, de fabricação e montagem de módulos para plataformas, atraiu operários de várias regiões do país, muitos deles antes alocados em Rio Grande.

— Tanto aluguéis quanto terrenos subiram de preço pelo menos 10% — conta o corretor de imóveis, Luiz Carlos Pestana, que atua há mais de uma década em Charqueadas.

Juliana de Carvalho, proprietária de outra imobiliária local, completa:

— Na região central da cidade, próximo à rodoviária, era quase impossível encontrar um imóvel disponível.

A procura diminuiu nos últimos meses, quando se tornaram públicas as dificuldades financeiras da Iesa, empresa líder do polo. Sem perspectivas de contratação, a cidade deixou de receber operários vindos de fora.

À procura de um quinto estaleiro

Com quatro estaleiros instalados na Metade Sul para construção de plataformas, o governo gaúcho busca agora atrair uma companhia para região especializada em reparo naval. O objetivo é ocupar espaço ainda disponível em São José do Norte e trazer para a costa brasileira navios que hoje procuram o serviço em Lisboa, Dubai, Cingapura e Cabo Verde.

— Não estamos na melhor posição geográfica, mas não temos uma localização ruim. Embarcações que precisam esperar longo período para serem consertadas podem vir para cá. O aumento da frota brasileira também é um estímulo — explica Aloísio Nóbrega, vice-presidente da Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI).

Mão de obra já existe. A técnica utilizada para reparo de navios é semelhante à da fabricação de cascos, atividade já desenvolvida na região.

A produção gaúcha
O petróleo é retirado do subsolo em alto-mar (offshore) por meio de plataformas, estruturas com casco capaz de armazenar óleo e gás e módulos que processam esse material e geram energia, por exemplo.

Novos cascos
A indústria naval costuma converter cascos de antigos navios em plataformas. Como a necessidade aumentou, faltaram cascos. A Petrobras encomendou oito, que são construídos em série pela Ecovix/Engevix em Rio Grande.

Guindastes
Os equipamento para elevar e movimentar materiais pesados começaram a ser produzidos este ano. Parte está na unidade da Koch Metalúrgica em Cachoerinha. A fábrica em Porto Alegre, onde serão montados, está em construção.

Módulos
Os diversos módulos instalados em uma plataforma têm funções como geração de energia elétrica e vapor, bombeamento de fluidos, filtragem e separação de gás, além de hospedagem para cerca de 100 tripulantes. São produzidos no polo do Jacuí, em Charqueadas, pela Iesa e em Rio Grande e São José do Norte. Nos próximos anos, também será produzido no Polo do Guaíba, pela empresa Ecovix.

Integração
Com cascos convertidos ou fabricados e módulos montados, estaleiros se encarregam de fazer a montagem das duas partes. Esse trabalho é feito no polo de Rio Grande, pelo estaleiro da QGI e no dique seco, em Rio Grande e em São José do Norte, pelo estaleiro EBR.

*Colaborou Luisa Martins

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.