Projeção

Mercado espera redução da taxa de juros para 13,5% ao final de 2016, aponta relatório Focus

Expectativa dos economistas é pela diminuição de 0,25% da Selic na quarta-feira, após a reunião do Comitê de Política Monetária

Por: Estadão Conteúdo e Agência Brasil
17/10/2016 - 10h02min | Atualizada em 17/10/2016 - 10h11min
Mercado espera redução da taxa de juros para 13,5% ao final de 2016, aponta relatório Focus Ronald Mendes/Agencia RBS
Foto: Ronald Mendes / Agencia RBS

À espera da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) intensificaram as apostas para o início de um ciclo de cortes da taxa básica de juros — a Selic — possivelmente já nesta semana. O relatório Focus divulgado nesta segunda-feira aponta que a mediana das projeções para a Selic no fim de 2016 caiu de 13,75% ao ano para 13,5% ao ano. Na prática, se confirmado, a mudança significará um corte de 0,75 ponto porcentual da taxa básica, atualmente em 14,25% ao ano. Há um mês, a perspectiva era que o juro fosse cortado para 13,75% ao ano.

Para o fim de 2017, a projeção permaneceu em 11% ao ano, mesmo nível de um mês atrás. Na próxima quarta-feira, o BC decide o novo nível da Selic e os ativos negociados no Brasil vêm precificando corte entre 0,25 e 0,50 ponto na taxa básica.

Leia mais
Após quatro anos, Banco Central pode cortar taxa de juros
Redução do preço dos combustíveis reforça tendência de corte do juro
Na Índia, Temer diz que Brasil passa por transformação econômica e ressalta "estabilidade política"

A Selic é o principal instrumento usado pelo Banco Central para controlar a inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, mas a medida alivia o controle sobre a inflação.

Inflação menor

O boletim Focus também reduziu a projeção para a inflação em 2016, de 7,04% para 7,01%. Há um mês, os economistas previam que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que indica a inflação oficial, encerrasse o ano em 7,34%.

Para 2017, as instituições financeiras estimam a inflação em 5,04%. A expectativa anterior era de 5,04%. Há quatro semanas, a projeção apontava uma variação do IPCA em 5,12%.

Câmbio estável

O relatório divulgado pelo Banco Central mostrou estabilidade nas estimativas para o câmbio deste e do próximo ano. O documento indica que a cotação da moeda estará em R$ 3,25 no encerramento de 2016, mesmo patamar apontado de uma semana antes. Há um mês, estava em R$ 3,30. O câmbio médio de 2016 passou de R$ 3,44 para R$ 3,43, ante R$ 3,45 de um mês antes.

Para o fim de 2017, a mediana para o câmbio seguiu em R$ 3,40 de uma divulgação para a outra, ante os R$ 3,45 de quatro semanas atrás. Já o câmbio médio de 2017 permaneceu em R$ 3,36 — estava em R$ 3,39 um mês atrás.

Retração maior do PIB

O boletim Focus desta semana trouxe mudança, para pior, na projeção de atividade no país em 2016. As estimativas para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano passaram de retração de 3,15% para queda de 3,19%. Há um mês, a perspectiva era de recuo de 3,15%.

Para 2017, o cenário é mais favorável, com perspectiva de PIB positivo. O mercado continuou prevendo para o país, conforme o relatório Focus divulgado nesta segunda-feira, um crescimento de 1,30% no próximo ano — mesmo valor projetado há um mês.

No segundo trimestre de 2016, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB brasileiro recuou 0,6% ante o primeiro trimestre do ano e teve retração de 3,8% ante o segundo trimestre de 2015. No ano, o PIB acumula baixa de 4,6% e, em 12 meses, recuo de 4,9%.


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.