Em queda

Setor de serviços registra queda de 5% no RS em 2016

Média nacional ficou na mesma faixa, a maior em cinco anos, quando o IBGE começou o levantamento

Por: Estadão Conteúdo, Zero Hora e Giane Guerra
15/02/2017 - 10h18min | Atualizada em 15/02/2017 - 13h48min
Setor de serviços registra queda de 5% no RS em 2016 Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS  

O setor de serviços despencou em 2016 no Rio Grande do Sul. De acordo com levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Estado apresentou queda de 5% no setor no ano passado, com destaque para o segmento Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, que caiu 8,5%.

Os dados divulgados na manhã desta quarta-feira mostram que o país também apresentou queda de 5% no setor, a maior desde 2012, quando a pesquisa foi iniciada pelo IBGE.

Foto: ArteZH / RBS

Leia mais:
Vendas do varejo tiveram queda recorde em 2016
Crise de crédito tirou R$ 1 trilhão da economia
Quase oito mil lojas fecharam as portas no Rio Grande do Sul em 2016

Dezembro, no entanto, teve resultado positivo no país. O setor de serviços cresceu 0,6% sobre novembro na média nacional. No Rio Grande do Sul, porém, houve recuo de 1,8% depois de ter avançado no mês anterior. O avanço de 0,6% no volume de serviços prestados no país na passagem de novembro para dezembro foi puxado por uma melhora no setor de transportes, segundo o IBGE.

O segmento de Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio teve crescimento de 0,4% em dezembro, após uma alta de 2,3% já registrada em novembro. 

— O transporte de cargas aumentou em dezembro acompanhando o crescimento do setor industrial — justificou Roberto Saldanha, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE.

Houve crescimento também nos serviços prestados às famílias, que tiveram elevação de 2,0% em dezembro ante novembro. 

— Os dois setores cresceram, mas o principal impacto foi transportes. Os serviços prestados às famílias têm peso menor — explicou Saldanha.

Na direção oposta houve perdas nos serviços de informação e comunicação (-1,7%); serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,3%); e no segmento de outros serviços (-1,2%).

— O setor de serviços não cresceu mais porque serviços de informação e comunicação caíram, são os que têm maior peso, e serviços profissionais e administrativos também recuaram. Esses dois setores juntos dão mais ou menos 57% do setor de serviços — contou o pesquisador do IBGE.

O agregado especial das Atividades turísticas apresentou crescimento de 3,1% em dezembro, na comparação com o mês imediatamente anterior.


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.