Economia

Com dívidas de R$ 152 milhões, rede de farmácias Mais Econômica entra com pedido de recuperação judicial 

Atual controladora da empresa culpa a gestão anterior pelos problemas financeiros

Por: Zero Hora
18/04/2017 - 18h32min | Atualizada em 18/04/2017 - 19h57min
Com dívidas de R$ 152 milhões, rede de farmácias Mais Econômica entra com pedido de recuperação judicial  Alexandre Costa Moreira/Divulgação
Foto: Alexandre Costa Moreira / Divulgação  

A rede de farmácias Mais Econômica ingressou, nesta terça-feira, com pedido de recuperação judicial para tentar ganhar oxigênio na luta contra dificuldades financeiras. A solicitação foi oficializada na Comarca de Porto Alegre. A prática, que substitui a antiga concordata, tem o objetivo de evitar que empresas encerrem suas atividades, permitindo a renegociação de dívidas mediada pelo Judiciário. Caso a Justiça aceite o pedido de socorro, é estipulado um prazo para a empresa apresentar plano de recuperação judicial.

Leia mais:
Economia já permitiria ritmo maior no corte de juro, diz ata do Copom
Oi diz que busca alternativas para entendimento entre acionistas e credores
Número de recuperações judiciais bate recorde no país em 2016, diz Serasa

Segundo a presidência da instituição, o passivo da Mais Econômica — dinheiro devido — é de R$ 152 milhões. Deste total, R$ 135,4 milhões são de dívidas com fornecedores e R$ 16,6 milhões em pendências trabalhistas.

Cauê Cardoso, sócio e fundador da VERTICapital, controladora da rede de farmácias desde novembro de 2015, afirma que o principal motivo da medida é a má administração da gestão anterior da Mais Econômica, que era encabeçada pela BR Pharma, então braço farmacêutico do banco BTG Pactual. A instituição vive um momento de encolhimento de seus ativos, apurando lucro líquido de R$ 652 milhões no quarto trimestre do ano passado, quase a metade do registrado no mesmo período do ano anterior (R$ 1,229 bilhão).

— Tentamos negociar com eles (antigos controladores), mas não obtivemos sucesso. Percebemos esses problemas (financeiros) na metade do ano passado, quando iniciamos o processo de demonstrações financeiras. Começamos a fechar as auditorias, mas antes disso, iniciamos a restruturação da rede, com renegociação de aluguéis, realocação de pessoal e compra de produtos com maior margem de lucro — explicou.

De acordo com o presidente, todas essas medidas adotadas para enfrentar os problemas financeiros herdados pela atual dona da empresa não foram suficientes, obrigando a Mais Econômica a retirar dinheiro do caixa para cobrir o rombo deixado pela BR Pharma, como "dívidas não-declaradas e irregularidades em aluguéis de estabelecimentos".

Desde a identificação das irregularidades nas contas da rede, o número de funcionários da Mais Econômica, que chegou a girar em torno de 2 mil na metade de 2016, caiu para cerca de mil. Os salários dos trabalhadores da instituição estão atrasados há cerca de um mês. Cardoso destaca que a empresa pretende voltar ao número anterior de colaboradores e pagar os vencimentos atrasados após a efetivação do pedido de recuperação judicial:

— Nossa prioridade é voltada para os funcionários que ficam na empresa, mas a rede tem capacidade de comportar mais de 2 mil trabalhadores com carteira assinada. É justamente para este patamar que nós queremos retornar. Precisamos, inclusive, voltar a contratar em breve.

A Mais Econômica, fundada em 1991, é a terceira maior rede do varejo farmacêutico gaúcho, com 140 lojas, sendo cem lojas atualmente em operação, em 52 municípios.

O que diz o banco BTG Pactual:

Por meio de nota, o BTG Pactual afirma que não era o controlador da BR Pharma na época da transação:

"O BTG Pactual repudia as acusações dos atuais controladores da Mais Econômica e esclarece que não era o controlador da BR Pharma no momento da venda para a Verti Capital, seja diretamente ou por meio de qualquer uma de suas afiliadas."

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.