Economia

Com dívida de R$ 2,5 bilhões, Triunfo Participações pede recuperação extrajudicial

Além da companhia, que é dona da Concepa, plano inclui as subsidiárias Maestra Serviços de Engenharia, Dable Participações, Vessel-Log Serviços de Engenharia e Concer

23/07/2017 - 21h33min | Atualizada em 23/07/2017 - 21h33min

Com atuação no segmento de concessões rodoviárias, administração de portos e aeroportos e energia, a Triunfo Participações e Investimentos recorreu à recuperação extrajudicial para reestruturar dívida superior à R$ 2,5 bilhões.

O plano inclui a companhia, além das subsidiárias Maestra Serviços de Engenharia, Dable Participações, Vessel-Log Serviços de Engenharia e Concer.

A Triunfo Concepa, uma das empresas da Triunfo Participações e Investimentos, é a concessionária que administra a freeway – em contrato renovado até julho de 2018 –, com praças de pedágio em Gravataí, Santo Antônio da Patrulha e Eldorado do Sul.

Leia mais:
Motoristas comemoram pedágio mais barato na freeway
Triunfo Concepa aceita proposta da ANTT para prorrogar contrato
Governo federal prepara renovação de contrato da Concepa na freeway

Nos documentos, protocolados na Justiça de São Paulo na madrugada de sábado, a companhia explica que a crise econômica nacional afetou "em cheio o mercado de infraestrutura brasileiro, que comprometeu a saúde e liquidez do grupo". Segundo o pedido de homologação, problemas financeiros, associados a eventos internos e externos, obrigaram a empresa a buscar a reestruturação do passivo financeiro — decorrente de operações bancárias e de mercado de capitais. O caminho, frisa a companhia, foi negociar com seus credores a reestruturação do passivo financeiro.

Os planos receberam apoio de cerca de 80% dos créditos votantes, superior ao mínimo de 60% exigido para ser ajuizado e que torna obrigatória a adesão dos demais 20%.

Passivos envolvem quase 20 credores

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), maior credor do grupo, se sujeita aos planos, mas não pôde votar por ser parte relacionada — isso porque o braço de participações BNDEPar é acionista da empresa. Ao todo, são quase 20 credores envolvidos no processo.

O restante das obrigações, segundo a companhia, não precisava ser renegociado, pois há ativos no modelo em que a engenharia financeira é sustentada pelo fluxo de caixa do empreendimento — e uma parcela da dívida está sendo endereçada via venda de ativos.

Nos últimos anos, a Triunfo arrematou concessões de rodovias e aeroportos, quando a economia brasileira viveu período de euforia. As expectativas de tráfego nas rodovias — segmento que representa seu principal negócio — eram altas e, consequentemente, também a previsão de receita. Mas as projeções não se confirmaram por conta da crise econômica.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.