Corrida ao Planalto

Aécio Neves aposta na proximidade com Ana Amélia para crescer no Estado

Para o candidato, governo do PT deixa "herança maldita" ao sucessor

02/08/2014 | 17h17
Aécio Neves aposta na proximidade com Ana Amélia para crescer no Estado Fernando Gomes/Agência RBS
Aécio pretende resgatar a capacidade dos Estados se desenvolverem Foto: Fernando Gomes / Agência RBS

O candidato à Presidência pelo PSDB, Aécio Neves, aposta na proximidade com a candidata do PP ao governo do Estado, Ana Amélia Lemos, para conquistar o eleitorado gaúcho. Ao ser questionado sobre sua tática no Rio Grande do Sul, durante visita a Porto Alegre na tarde de sábado, o tucano sorriu, abraçou a aliada e respondeu.

– Olha a minha estratégia aqui – disse o presidenciável, que soma no Estado 23% das intenções de voto contra 41% da candidata à reeleição, Dilma Rousseff

Vestindo calça jeans e camisa branca, Aécio chegou ao hotel Intercity, onde a entrevista ocorreu, cumprimentando os jornalistas com um "buenas tardes". Desenvolvimento econômico foi um dos principais pontos abordados por ele na coletiva, que durou 43 minutos.

– Estamos tendo o pior resultado da indústria automobilística de todos os últimos anos. Ela reduziu sua capacidade em mais de 30% em apenas um ano. O conjunto da indústria, em todas as manifestações, teve, do mês de julho do ano passado para o mês de julho deste ano, uma queda em torno de 7% – garantiu o tucano.

"A renegociação da dívida dos Estados é necessária", diz Aécio Neves
Pressionado por polêmica, Aécio defende aeroportos construídos no interior de Minas
Leia todas as notícias sobre as Eleições 2014

Aécio falou da perda da capacidade de crescimento e da crise de confiança que abalam o país. Segundo ele, o governo do PT deixa uma "herança maldita" ao sucessor. Se eleito, ele pretende resgatar a capacidade dos Estados se desenvolverem. Para o tucano, a pobreza não é apenas uma privação de renda, mas também de serviços e oportunidades. Aécio prometeu aprimorar os programas sociais que dão certo.

Em relação à dívida dos Estados com a União, o presidenciável afirmou não acreditar na aprovação do projeto de renegociação até o final deste ano porque "o governo não é confiável".

Depois da conversa com os repórteres, Aécio e Ana Amélia foram de carro até a Avenida Beira-Rio, onde encontraram militantes em caminhada e seguiram para o Ginásio Gigantinho em um trio elétrico, onde participaram do primeiro comício juntos no Rio Grande do Sul.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.