Acidente em Santos

Anac suspeita de venda de jato e pede ajuda da PF para investigar

Em nome de empresa do Grupo Andrade, aeronave pode ter sido vendida sem conhecimento dos órgãos aeronáuticos responsáveis pelo controle

Atualizada em 16/08/2014 | 18h4215/08/2014 | 18h57
Anac suspeita de venda de jato e pede ajuda da PF para investigar Marcelo Oliveira/Agencia RBS
Queda da aeronave matou Eduardo Campos e outras seis pessoas e danificou seis imóveis em Santos, litoral de São Paulo Foto: Marcelo Oliveira / Agencia RBS

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) solicitou à Polícia Federal (PF) informações precisas sobre o operador do jato Cessna Citation 560XL, prefixo PR-AFA, que caiu e matou o candidato à Presidência da República Eduardo Campos e outras seis pessoas na última quarta-feira em Santos (SP). De acordo com a agência, há suspeitas de que o avião tenha sido vendido sem conhecimento da Anac.

Conforme o órgão, em caso de venda ou transferência de proprietário, a Anac deve ser imediatamente informada, o que não teria ocorrido nesse caso. De acordo com o Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), o Cessna pertence à AF Andrade Empreendimentos e Participações Ltda. – braço do Grupo Andrade, companhia do ramo sucroenergético cuja sede está localizada em Ribeirão Preto, interior de São Paulo.

A Anac reitera que a aeronave estava com a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) e o Certificado de Aeronavegabilidade válidos. Fabricada em 2010 nos Estados Unidos, ela tinha uma configuração para nove passageiros e possuía o gravador de voz (Cockpit Voice Recorder – CVR) instalado.

Leia todas as notícias sobre a morte de Eduardo Campos
FAB: áudio do avião não era do voo em que estava Campos
Eduardo Campos não pôde ser reconhecido pela arcada dentária
Os cinco possíveis cenários da eleição sem Eduardo Campos

"A aeronave era de propriedade da Cessna Finance Export Corporation e era operada pela empresa privada AF Andrade Empreendimentos e Participações Ltda. por meio de arrendamento operacional (leasing). A Anac informa que solicitou apoio da PF para localização do operador a fim de verificar informações sobre eventual venda da aeronave, ainda não comunicada à Agência", ressaltou o órgão.

De uso privado, o avião não poderia ser arrendado ou alugado para outra empresa ou candidato – no caso, Eduardo Campos. É o que estipula o RAB, que controla todas as 14 mil aeronaves registradas no país. O professor Georges Ferreira, especialista em Direito Aeronáutico na faculdade de Ciências Aeronáuticas de Goiás, adverte que ele só poderia ser emprestado:

– Um avião privado não pode servir de táxi aéreo nem para transporte remunerado e de carga. Ele é para uso do dono ou empréstimo, não remunerado. Ou a AF Andrade o emprestou ao candidato Campos, ou o avião estava em situação ilegal, e os donos vão responder por isso perante a lei.

Corpos de Eduardo Campos e outras vítimas são liberados
Velório de Campos deve começar ainda no sábado

Empresário de Alagoas nega compra

Horas após o acidente em Santos, o empresário de Arapiraca – maior cidade do interior de Alagoas – Ricardo Barreto Dantas foi alvo de especulações e teve de acionar sua equipe de assessores para provar que ele não é o dono do jato Cessna. Amigo íntimo de Campos, a quem ele considerava um segundo pai e líder político, Dantas diz que foi vítima de "especulação".

Ele foi visto diversas vezes com Eduardo Campos nos últimos anos e, em 2012, concorreu ao cargo de vice-prefeito em Arapiraca com seu apoio, mas acabou perdendo. Na última sexta-feira, dia 8, eles almoçaram juntos em Alagoas e trocaram ideias sobre a campanha presidencial. Dantas é fundador da Coagro, empresa do ramo agropecuário.

– Pura especulação. Não tenho condições de comprar nem um pneu daquele avião – assegurou.

Zero Hora entrou em contato diversas vezes com o Grupo Andrade e não recebeu retorno. Já a coordenação da campanha de Campos à Presidência da República só vai se manifestar após o enterro das vítimas do voo, que deve ocorrer no domingo.

Acidente aéreo matou sete pessoas

Candidato à Presidência pelo PSB, Eduardo Campos morreu na manhã de 13 de agosto, em um acidente de avião em Santos, no litoral paulista. A queda da aeronave, que ia do aeroporto Santos Dumont (RJ) ao aeroporto de Guarujá (SP), matou outras seis pessoas — dois assessores, um fotógrafo, um cinegrafista e dois pilotos.

Nascido em Recife (PE) em 1965, o ex-governador de Pernambuco Eduardo Henrique Accioly Campos era o terceiro colocado na corrida presidencial, atrás de Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB). Campos era neto e herdeiro político de um dos mais influentes líderes da esquerda nacional, o também ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes. Casado há mais de 20 anos com a economista Renata Campos, o candidato deixa cinco filhos, com idades entre 21 anos e cinco meses.

Com a morte de Campos, o nome da vice em sua chapa, Marina Silva (PSB), despontou como favorito. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em caso de falecimento de candidato, o partido do substituído tem de pedir o registro da nova candidatura em até 10 dias. O prazo conta a partir do fato que motivou a substituição.

Confira imagens do acidente que matou Eduardo Campos:

 

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.