Palanque rural

Presidenciáveis tentam fisgar votos entre produtores

Sabatina na Confederação da Agricultura reuniu Aécio, Eduardo Campos e Dilma

06/08/2014 | 21h00
Presidenciáveis tentam fisgar votos entre produtores Montagem sobre fotos de José Paulo Lacerda/CNI e Ichiro Guerra/Dilma 13/
Aécio, Dilma e Campos participaram de sabatina promovida por entidade de produtores rurais Foto: Montagem sobre fotos de José Paulo Lacerda/CNI e Ichiro Guerra/Dilma 13

Reunidos na sede da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) nesta  em Brasília, Aécio Neves (PSDB), Eduardo Campos (PSB) e a presidente Dilma Rousseff foram poupados de um embate direto. No evento Encontro com os Presidenciáveis, em momentos separados, cada um dos candidatos a presidência falou durante aproximadamente 1 hora sobre temas relacionados ao agronegócio e responderam algumas perguntas.

Enquanto a presidente busca em alguns bons números do setor mostrar o trabalho do atual governo na área, Aécio e Campos se dedicaram a criticar, entre outras questão rurais, o que denominam como nomeações políticas no Ministério da Agricultura e a inatividade em um questão polêmica, de Norte a Sul, as demarcações de terras indígenas.

Abaixo, veja o que cada um dos candidatos falou sobre esses e outros tópicos relacionados as projetos agropecuários para o Brasil.

Condução da política agrícola

Aécio Neves

"O Ministério da Agricultura é subsidiário no Brasil, está ocupado. Criarei um super Ministério da Agricultura. Vou inserir a Pesca novamente na pasta. Terá assento de igualdade com a Fazenda."

Eduardo Campos

"Vou tirá-lo do balcão político e dos partidos e colocá-lo nas mãos de quem está a altura do que precisamos fazer, na mão da competência de quem possa inspirar um dialogo responsável, maduro.

Dilma Rousseff

"Colocamos à disposição do país o maior plano agrícola já elaborado. Retomei o financiamento à pecuária de corte, atendendo uma demanda histórica. Demos um salto em equipamentos e produtos."

Código florestal, demarcação de terras e reforma agrária

Aécio Neves

 "O governo não pode continuar omisso como está. A Funai não poderá ser a única e solitária voz nessas decisões. Os Estados e a Embrapa devem ter papel coordenador sobre essa questão"

"Ninguém ficou plenamente satisfeito com ele (o Novo Código Florestal ), o que demonstra que houve ali um equilíbrio."

Dilma Rousseff

"Quero reafirmar meu compromisso de uma segurança jurídica. A questão (da demarcação de terras indígenas) é um dos nosso desafios. Alguns temas institucionais, como meio ambiente e terras indígenas, são cruciais para a estabilidade do país."

Eduardo Campos

"Os dois lados (ambientalistas e agronegócio) estão colocando defeito no projeto de Lei (do Novo Código Florestal) aprovado pelo Congresso Nacional. Vamos buscar a consolidação do cadastro bem feito, que apontem para o objetivo estratégico que todos confessam ter.

Comércio internacional

Aécio neves

"Os acordos comerciais firmados pelo Brasil são fruto de vinculações ideológicas com os países do Mercosul, que impedem o Brasil de fechar parcerias bilaterais com mais países. Neste contexto, o Brasil pode perder mercados para outros países. E vamos declarar guerra ao atual custo Brasil, que abala nossa competitividade (internacional)"

Dilma Rousseff

"Precisamos cada vez mais cooptar e captar novas fronteiras tanto na Ásia quanto no Oriente Médio. É importante vocês saberem que há uma restrição na União Europeia em receber propostas de acordos comerciais, pois esses países atribuem acordos a crises. Apesar disso, estamos prontos para apresentar nossa proposta conjunta com Argentina, Paraguai e Uruguai."

Eduardo Campos

"Não podemos ter uma política externa de partido, mas de Estado. Vamos destravar muito do que frustra hoje a expansão de nossa fronteira comercial. Nos últimos anos, estivemos amarrados aos insucesso do Mercosul e rodadas Doha e avançamos pouco"

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.