Versão mobile

Estilo de gestão dos presidenciáveis

Aécio Neves: um administrador exigente

Candidato do PSDB apresenta como credencial a experiência de dois mandatos no governo de Minas Gerais

04/10/2014 - 14h01min
Aécio Neves: um administrador exigente Arte Gilmar Fraga/Arte ZH
Foto: Arte Gilmar Fraga / Arte ZH

Entre assessores e pares políticos, o candidato Aécio Neves (PSDB) é visto como um gestor participativo, mas não centralizador. Vaidoso e romântico – embora não presenteie flores porque “dão azar”–, o ex-governador mineiro (2003 a 2010) é admirado pela forma amável com que se dirige aos subalternos.

O deputado federal Bruno Araújo (PSDB) garante que o presidenciável tucano “exerce autoridade”, mas que “todos na equipe nutrem afeição pessoal pelo estilo de tratar”. Para Aloysio Nunes (PSDB), candidato a vice­presidente, Aécio “sabe delegar, sempre mantendo o controle estratégico”. Contudo, o perfil pessoal do presidente nacional do PSDB não é visto de forma unânime. Na opinião do deputado esta-
dual mineiro Ulysses Gomes (PT), líder do bloco de oposição Minas Sem Censura, Aécio fez no Estado “um governo totalmente centralizador”, um estilo seguido por Antonio Anastasia, seu ex­-vice e sucessor, eleito no primeiro turno em 2010 com 62,7% dos votos, catapultado pelos altos índices de aprovação do ex-chefe.

– Não houve diálogo com os servidores, o que contradiz o discurso democrático dele. É um governo que até hoje não sentou com os professores para dar uma resposta por não pagar o piso nacional – diz Gomes.

Dilma: uma gestora perfeccionista
Marina: uma liderança visionária
Leia todas as notícias sobre as Eleições 2014
Leia todas as notícias de Zero Hora


Como todos os temas que colocam PSDB e PT em trincheiras opostas, a gestão de Aécio é motivo de acaloradas discussões. Entre 2003 e 2013, o governo tucano celebrou conquistas como o aumento de 76% nas equipes de atenção primária em saúde, a alta de 138% no número de viaturas policiais, o salto de 765% nas vagas prisionais e o crescimento de 48% nas rodovias pavimentadas.

Para a oposição, porém, a gestão de Aécio não merece ser celebrada. Os rivais culpam o PSDB por Minas ser o segundo Estado mais endividado com a União (R$ 76,7 bilhões), só atrás de São Paulo (R$ 183,3 bilhões) e à frente do Rio Grande do Sul (R$ 56,9 bilhões). Além da suposta maquiagem de dados de segurança, educação e mortalidade infantil, pintando uma Minas Gerais mais colorida do que a real, opositores criticam a falta de investimentos mínimos de 12% do orçamento em saúde e de 25% em educação, estabelecidos pela Constituição. Na segurança, citam a redução do contingente em 8 mil PMs.

Mas, afinal, quais são os méritos e os deméritos de Aécio? Secretária de Planejamento e Gestão desde 2003, Renata Vilhena derret­e-se em elogios ao “choque de gestão” tucano. No primeiro ano de Aécio no governo, o déficit anual do Estado era de R$ 2,4 bilhões. Dois anos depois, com controle das contas públicas e métodos de gestão da iniciativa privada, o balanço já estava no azul.

– Há confusão e até oportunismo. A dívida com o governo federal está crescendo. Não só para Minas, mas para todos os Estados, devido ao indicador de correção. Já pagamos o dobro do que pegamos emprestado e hoje devemos o triplo – diz Renata, sobre o fato de o governo ficar devendo R$ 14,8 bilhões à União em 1998, ter pago R$ 29 bi entre 1998 e 2013 e ainda ter um débito de R$ 67,5 bi.

Ferrenho opositor, o deputado Rogério Correia (PT) afirma que Aécio não apresentou projeto de desenvolvimento para o Estado e acusa o tucano de cometer erros acobertados pela imprensa:

– Via PAC, não interessava a ele fazer o metrô, pois não viria dinheiro para seus amigos. Mas aqui em Minas só se pode falar bem dele. Está tudo dominado.

Apesar das críticas dos opositores, o vice na chapa presidencial, Aloysio Nunes, garante que, graças aos dois mandatos de governador e à convivência profissional de quatro anos com o avô Tancredo Neves, Aécio – que já foi surfista, motociclista, mochileiro e centroavante no time de parlamentares constituintes em que Lula era zagueiro – tem a apresentar “um estilo administrativo de sucesso”.

– Tudo isso é um doutorado em gestão pública – aposta Nunes.

COMO ELE É

Relações interpessoais
Tem perfil de dar atenção e depositar confiança nos profissionais de sua equipe de trabalho.

Pulso firme
Embora trate a equipe com carinho e simpatia, costuma ser duro na cobrança de resultados.

Controle na medida certa
Toma as decisões principais, mas delega outras e acompanha o cumprimento das metas.

Influência sobre a imprensa
Segundo opositores, as relações de Aécio com a imprensa mineira permitem pressões paras que notícias negativas não sejam divulgadas.

Ajuste x avanço
Apesar da preocupação com o equilíbrio das contas, seu governo não se destacou por promover ações de crescimento econômico em Minas Gerais.

Marketing excessivo
De acordo com a oposição, as ações nesta área fazem os resultados do governo parecerem melhores do que, de fato, seriam.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.