Porto Alegre

Maratona de entrevistas e pouco sono: o dia seguinte de Marchezan

Um dia após ser eleito no segundo turno, tucano cumpriu agenda de visitas a veículos de comunicação de Porto Alegre

31/10/2016 - 10h29min | Atualizada em 31/10/2016 - 21h34min

Foram apenas três horas de sono após a comemoração da vitória e às 6h desta segunda-feira o prefeito eleito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB), despertava para nova maratona. Quarenta e cinco minutos depois começaria a agenda sem pausas que deve se arrastar até quase meia-noite, dominada por entrevistas a diversos veículos de comunicação do Estado e do país.

Marchezan não foi poupado. Um dia depois de ser confirmado por com 402.165 votos como o escolhido para comandar a Capital pelos próximos quatro anos, o interesse era por saber detalhes e prazos dos planos do tucano para a cidade. O bombardeio de perguntas não cessou durante o dia e entrou a noite.

Possível privatização da Carris se não conseguir ser eficiente, composição de governo, perfil do secretariado, obras pelo município, relação com o Movimento Brasil Livre (MBL), desburocratização da prefeitura, situação das finanças e segurança foram alguma das questões que teve de responder inúmeras vezes ao longo da segunda-feira.

Leia mais
Marchezan: Carris será privatizada se continuar o prejuízo
Formação do secretariado de Marchezan inclui reforma administrativa 
As razões para a vitória de Marchezan em Porto Alegre

Entre uma entrevista e outra, nos bastidores, lembrava momentos tensos e decisivos que marcaram a campanha. Mas, mesmo franzindo o cenho diante de uma pergunta mais incisiva, o prefeito eleito predominou em ar mais descontraído pelo resultado das urnas. 

— Hoje não era para ser estressante, mas o estresse volta com as perguntas — brincou o primeiro tucano que irá chefiar o Executivo de Porto Alegre e, ainda na metade da manhã, tinha mais de 900 mensagens não lidas no WhatsApp, além de e-mails e ligações perdidas.

Intenção é conciliar transição com mandato de deputado

As noites mal dormidas, a alimentação desregrada e o cansaço da campanha cobraram o seu preço. No início da tarde desta segunda-feira, em rápida passagem próximo da Praça da Alfândega, no centro da Capital, foi impossível segurar os bocejos enquanto se preparava para gravar respostas a uma emissora de TV e era abordado por eleitores que o saudavam à distância, queriam apertar a sua mão ou pedir selfies. Mais cedo, com os horários espremidos, a rápida pausa para se alimentar teve de ser no refeitório da RBS TV, após participação no Jornal do Almoço.

— Emagreci muito, mas a barriga aumentou — comentou o prefeito eleito, mais relaxado do que nos dias da de batalha pelos votos, tentando uma referência sobre a mudança na silhueta observando qual era o furo do cinto agora usado.

Assim que os compromissos pós-vitória diminuírem de intensidade, a ideia é descansar por um ou dois dias. Talvez no feriado desta quarta-feira, talvez no fim de semana, e, depois, seguir com o trabalho como deputado federal, conciliando o mandato em Brasília com a costura política para a formação do futuro governo e a transição exigida pela passagem de bastão na Capital. No curto repouso, a intenção é viajar para o Interior e recuperar um pouco da convivência prejudicada pelo ritmo alucinante das eleições.

— Todos os momentos de lazer são com o meu filho — conclui Marchezan.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.