Caderno DOC

Polícia Civil aperta o cerco ao neonazismo no Estado

Estão sob investigação as ligações de jovens com um italiano de extrema-direita que teria agido como recrutador de combatentes para a guerra civil na Ucrânia 

Por: Carlos Rollsing, Cid Martins e Maurício Tonetto
13/01/2017 - 09h56min | Atualizada em 13/01/2017 - 10h02min
Polícia Civil aperta o cerco ao neonazismo no Estado Polícia Civil/Divulgação
Em 8 de dezembro de 2016, Polícia Civil gaúcha apreendeu material nazista em sete municípios  Foto: Polícia Civil / Divulgação  

O conflito entre Ucrânia e Rússia no Leste Europeu, que se arrasta por mais de dois anos, gerou ações de recrutamento de lutadores e simpatizantes no Brasil. No Sudeste e no Sul, um italiano de extrema-direita teria atuado como caçador de militantes – com gaúchos entre eles – para as organizações conhecidas como Batalhão Azov e Misanthropic Division. As duas são pró-Ucrânia, nacionais-socialistas e nasceram para enfrentar as tropas pró-russas e separatistas em 2014. Parte de seus membros é antissemita e defensora da supremacia racial. O Batalhão Azov inclusive ostenta símbolos de inspiração nazista.

Clique na imagem abaixo para acessar a reportagem especial do Grupo de Investigação (GDI) da RBS:

Foto: Arte ZH

Leia mais reportagens do GDI

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.