Investigação

Detran terá de vistoriar 250 carros em depósito em Viamão antes de enviar carcaças à trituração 

Centro de remoção de veículos JAP acumula precárias carcaças vulneráveis a ladrões, fato denunciado há um mês por Zero Hora

16/02/2017 - 22h02min | Atualizada em 16/02/2017 - 22h02min
Detran terá de vistoriar 250 carros em depósito em Viamão antes de enviar carcaças à trituração  Luiz Armando Vaz/Agencia RBS
Cenário em área contínua a depósito é parecido ao de um mês atrás, pois Estado tem de averiguar automóveis um a um Foto: Luiz Armando Vaz / Agencia RBS  

Um mês após a publicação da reportagem do Grupo de Investigação da RBS (GDI), que mostrou como carcaças de veículos acumuladas a céu aberto apodrecem num depósito do Detran em Viamão, o Centro de Remoção e Depósito (CRD) JAP, tem prazo de 60 dias para a retirada das sucatas. Além disso, as autoridades determinaram vistoria nesse cemitério de automóveis. Um trabalho pouco visível, que não mudou a paisagem.

Os carros ainda enferrujam sob o sol, no Centro de Remoção e Depósito (CRD) JAP, situado na Estrada do Cocão. São centenas de veículos, muitos já sem motor e outras peças.

Leia mais
Lei dos desmanches ainda não engrenou e ferros-velhos ilegais seguem no mercado
Secretaria da Segurança Pública fecha depósito ilegal em Alvorada

O depósito guarda ao todo cerca de 1,5 mil carros de diversas origens: recuperados após furtos e roubos, acidentados e apreendidos. Parte deles, mais de duas centenas, se deterioram ao relento, em um terreno contíguo à área cercada do pátio oficial para guarda de carros. A ideia era que todos os automóveis ficassem em local cercado, mas isso não acontece. Há relatos de vizinhos sobre ladrões que aparecem à noite — em geral, viciados em crack — para depenar os veículos.

A direção do Detran promete dar fim ao problema, triturando para revenda as carcaças que não puderem ser utilizadas. Só que antes disso é preciso que engenheiros vistoriem um por um os cerca de 250 veículos largados no terreno contíguo ao CRD JAP. É verificadose as condições deles (situação das peças, motor e chassis, por exemplo) condizem com as existentes no dia em que foram recolhidos ao depósito. A maior parte dos testes foi feita comparando fotos de antes e depois dos veículos chegarem.

Após a finalização da vistoria, o Detran precisa — por lei — notificar os responsáveis pelos bens em depósito: Judiciário e Polícia, na maioria dos casos. Dessa forma, a trituração das sucatas do CRD JAP está prevista para a primeira quinzena de maio. É por isso que os carros ainda estão lá, não é possível tirá-los sem checar se foram abandonados mesmo pelos donos. A área dos veículos deteriorados ainda não está cercada.

Carros abandonados motivaram auditoria

A revelação de que os carros estavam vulneráveis à ação de criminosos motivou auditoria do Detran, que determinou medida cautelar que impede o JAP de receber novos veículos. Foi também aberto processo para responsabilização do credenciado com relação às más condições de depósito.

A reportagem do GDI também apontou sumiço de peças de um Monza guardado ao relento, no JAP. O motor está depenado, mas isso não é mencionado na ficha de recolhimento do carro, preenchida pelo depósito ao rebocar o veículo até lá. O documento apenas relata sumiço de peças não-fundamentais, como espelhos e rodas.

Uma primeira análise do Detran constatou que a ficha foi preenchida incorretamente e que o carro estava mal guardado. A possível responsabilização do depósito só acontecerá após processo administrativo, que inclui período para defesa dos suspeitos de negligência, informa o Detran. Os prazos ainda transcorrem.

A reportagem do GDI também mostrou como dois outros depósitos, privados, atuavam sem licença e vendiam peças, em Alvorada. Um deles, na Rua José do Patrocínio, no bairro Jardim Porto Alegre, foi interditado e, dos 20 carros que mantinha, só ficou com cinco. O outro, na Rua Guaíba, no bairro Tordilho, permanece aberto, de forma clandestina.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.