Faculdade de papel

Fortunati anuncia afastamento da reitoria do Grupo Facinepe

Ex-prefeito da Capital era reitor da instituição desde fevereiro

Por: Zero Hora
02/03/2017 - 20h03min | Atualizada em 02/03/2017 - 20h19min
Fortunati anuncia afastamento da reitoria do Grupo Facinepe Divulgação/Facinepe
Ao assumir o cargo, Fortunati posou para foto ao lado de Faustino da Rosa Junior, então CEO do grupo Foto: Divulgação / Facinepe  

Em razão da repercussão de reportagem publicada em pelo Grupo de Investigação da RBS (GDI), o ex-prefeito José Fortunati anunciou, na tarde desta quinta-feira, afastamento da reitoria do Grupo Educacional Facinepe. A apuração do GDI revelou que ele havia sido convidado para o posto pelo então CEO do Facinepe, o advogado Faustino da Rosa Junior, 34 anos, condenado por falsificar diplomas, e que a instituição oferecia cursos de graduação e pós-graduação sem ter credenciamento regular junto ao Ministério da Educação (MEC).

No fim da tarde, Fortunati publicou nota sobre o caso no Facebook. Minutos depois, substituiu o comunicado por outro, mais sucinto. Por telefone, confirmou a ZH a decisão de deixar a instituição, embora garanta ter certeza da legalidade de suas atividades:

— Hoje, em razão da matéria, decidi me afastar do grupo Facinepe, mas quero deixar claro que tenho plena e absoluta convicção de que o grupo educacional funciona regularmente, de acordo com as regras do MEC. Há, obviamente, questões relativas ao Faustino, que ele deve responder.

Leia mais da reportagem especial:
Da fraude ao império: a história do dono da faculdade de papel
Dono de faculdade com credencial vencida emitiu diplomas falsos
MPF investiga propaganda enganosa da faculdade de advogado condenado
Para nova faculdade, condenado por fraude faz obra irregular em Porto Alegre 

O ex-prefeito disse que aceitou o convite para ser reitor da entidade, no início de fevereiro, por ter atuado como secretário estadual de Educação e por ter dedicado especial atenção à área enquanto esteve à frente da prefeitura da Capital.

— Se estou me afastando é porque tenho convicção de que a minha presença, por ser homem público, acabaria potencializando os boatos, a fofoca e os ataques ao grupo. E não quero desgastar mais o grupo, porque não é somente esta ou aquela figura. Tem alunos, tem estrutura, tem funcionários. Não quero que eles sofram esse desgaste — ressaltou.

Sobre o fato de o credenciamento no MEC da Faculdade Centro Sul do Paraná (Facspar) — utilizada pelo Facinepe para emissão dos certificados — ter sido conferido em 2009, pelo prazo de três anos, e ter vencido em 2012, Fortunati limitou-se a declarar que "isso está devidamente esclarecido" em nota oficial emitida pelo grupo.

A nota reafirma que a Facspar está devidamente credenciada no ministério e garante que nenhum aluno será prejudicado. Diz que a instituição é presidida pelo professor Douglas Costa Vieira (primo de Faustino) e que o advogado não é mais empregado e nunca foi dono do grupo. 

Afirma que a Facspar implementou curso de graduação no Paraná, mas não teve turmas por ausência de quórum mínimo. E alega que isso não a impede de oferecer, ministrar e certificar pós-graduações — conforme as resoluções 01 de 2007 e 02 de 2014 do MEC, salientando que, conforme a legislação, basta o credenciamento regular para que seja legítima a oferta de pós-graduações, independente do ato autorizativo do curso de graduação.

O problema é que o credenciamento prévio venceu em 2012 e, dos novos pedidos enviados ao MEC a partir de 2015, dois foram arquivados e um segue pendente.

Leia a íntegra dos posicionamentos de Fortunati e do Grupo Facinepe:


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.