Frustração milionária

Mercado imobiliário considera problema localizado e pontual

Dirigentes de entidades que representam o setor afirmam que o caso do M.Grupo é isolado

30/06/2017 - 09h50min | Atualizada em 30/06/2017 - 15h38min

A crise envolvendo o M.Grupo é pontual, restrita a uma empresa e não compromete o mercado imobiliário gaúcho. Essa é a avaliação de dirigentes de entidades representativas do setor no Rio Grande do Sul.

Para o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-RS), Ricardo Sessegolo, que representa 455 incorporadoras, a crise do M.Grupo é concentrada em uma empresa de maneira isolada — que "entrou no mercado sem tradição alguma".

— É difícil avaliar o que houve. Talvez tenham errado a dosagem da sua imobilização financeira excessiva em shoppings, faltando capital de giro para o negócio de incorporação imobiliária, que é completamente diferente e exige também muito capital financeiro e uma eficiente gestão empresarial — analisa Sessegolo.

Leia a reportagem:

Ascensão e queda da empresa que prometia construir o prédio mais alto do RS
Promessa de complexo imobiliário para Gravataí atraiu 345 pessoas que ainda aguardam imóveis
Na Capital, obra de apart-hotel na Rua 24 de Outubro está parada há três anos
Investimentos em shoppings fracassaram em quatro cidades do Interior

O presidente do Sindicato da Habitação do Rio Grande do Sul, Moacyr Schukster, também pontua que se trata de um caso isolado.

— Nós temos um mercado imobiliário muito saudável — tranquiliza Schukster, que representa 6.914 associados.

Corretor há mais de 20 anos na Região Metropolitana de Porto Alegre, Altair Machado dos Santos relata que os comentários levantando suspeitas sobre a saúde financeira do M.Grupo começaram a circular no fim de 2015 entre os profissionais do mercado imobiliário:

— Desde o ano passado, se tem objeção de fazer operações com o grupo.

Não são apenas investidores novatos que estão entre os autores das ações judiciais conta o M.Grupo. Há profissionais com décadas de experiência no mercado financeiro e imobiliário. Além da preocupação individual, há o receio quanto ao impacto na credibilidade do setor.

Diretor da empresa que faz pesquisas imobiliárias Alphaplan, Tiago Dias considera "um absurdo" a situação e avalia que o M.Grupo não tinha conhecimento no mercado imobiliário ao investir. Acredita que a confiança de investidores experientes foi conquistada porque a empresa anunciou ao mercado que estava muito capitalizada.

— É um caso diferenciado mesmo, pois não surgem incorporadores a toda hora. Os pequenos sofrem para crescer em credibilidade. Não vimos isso nos últimos anos no nosso mercado, nem em crises.

Dias sugere que as pessoas investiguem o passado das incorporadoras antes de fazer negócio. Analisando, principalmente, as obras entregues e o atendimento aos compradores.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.