Bate-boca marca protesto contra homeopatia em Porto Alegre

Manifestantes tomaram doses elevadas da medicação na tentativa de comprovar sua ineficácia

05/02/2011 - 11h09min | Atualizada em 05/02/2011 - 12h42min
Bate-boca marca protesto contra homeopatia em Porto Alegre Emílio Pedroso/
Dois grupos discutiram durante a manifestação na Capital Foto: Emílio Pedroso  

Um bate-boca entre grupos favoráveis e contrários ao uso homeopatia marcou um protesto realizado na manhã de hoje em Porto Alegre. Às 10h23min, um grupo vinculado à Liga Humanista Secular do Brasil ingeriu doses excessivas da medicação, na Casa de Cultura Mario Quintana, na tentativa de comprovar a ineficácia da homeopatia.

Você acredita na eficácia da homeopatia? Dê o seu relato

Cerca de cinco manifestantes tomaram a "overdose homeopática", que inclui frascos com cerca de 60 comprimidos para combater o nervosismo e também produtos de farmácias de manipulação.

Segundo integrantes da Liga, a manifestação não foi um experimento científico formal, mas uma forma de alertar a comunidade que a homeopatia não tem efeito no organismo, defendem eles.

— Esse é o medicamento mais forte tomado hoje — disse um dos participantes em referência à água que acompanhou a ingestão da homeopatia.

— Homeopatia é pura água — afirmou o biólogo Eli Vieira Júnior, presidente da Liga.

Do outro lado, adeptos da prática alegam que a técnica é reconhecida há 30 anos pelo Conselho Federal de Medicina como uma especialidade médica.

— Nós curamos pessoas com homeopatia. Se eles dizem que são humanistas, têm de considerar todos os critérios humanos — questionou a médica homeopata Zeila Froes.

Além de Porto Alegre, o protesto de hoje também foi feito em São Paulo, Natal e em outras 60 cidades no mundo.

Notícias Relacionadas

05/02/2011 | 04h23

Grupo protesta contra a homeopatia hoje em Porto Alegre

Grupo que não crê na prática vai tomar dose excessiva de medicação

03/02/2011 | 03h10

Grupo protesta contra homeopatia como especialidade médica na Capital

Manifestantes vão ingerir medicamentos em excesso para provar sua ineficácia