Relator da reforma política defende o fortalecimento de um programa de gestão pública

Deputado Henrique Fontana defende um misto do voto em lista e do voto aberto nas eleições proporcionais

27/04/2011 - 09h06min | Atualizada em 27/04/2011 - 10h01min

O deputado Henrique Fontana, relator do projeto de reforma política, defede um misto do voto em lista e do voto aberto nas eleições proporcionais. Em discussão por duas comissões na Câmara dos Deputados e no Senado, os projetos devem ter suas conclusões unificadas.

— É preciso fortalecer a visão de defender um programa de gestão pública — disse Fontana em entrevista ao programa Gaúcha Atualidade, da Rádio Gaúcha.

Fontana acredita que existem duas causas para o excesso de partidos — atualmente existem cerca de 30 partidos no país —: o personalismo e o abuso do poder econômico.

— Nós temos uma política que é feita por personalidades e não por um conjunto de pessoas que defendem uma ideologia, uma visão de como desenvolver o Estado e dirigir as questões de gestão pública. E o outro tema é o abuso do poder econômico, que é uma das maiores causas das distorções da democracia brasileira e da corrupção do país — explicou.

No intuito de "fortalecer o voto do eleitor", o relator da comissão defende um misto do voto em lista e do voto aberto nas eleições proporcionais.

— Quando for votar em deputado federal, em primeiro lugar o eleitor vai escolher um partido e uma lista, ou seja, um programa que ele quer fortalecer e ele vai escolher uma lista. Em seguida, vai escolher o deputado de preferência nesta lista — detalhou Fontana, explicando que seriam eleitos os políticos mais votados individualmente e os mais votados em cada legenda.


Confira a entrevista à Rádio Gaúcha:



 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.