No fim do ano letivo

Professores aprovam greve nas escolas estaduais a partir de segunda-feira

Decisão foi tomada em assembleia do Cpers na tarde de sexta-feira, no Ginásio Gigantinho

18/11/2011 | 16h01
Professores aprovam greve nas escolas estaduais a partir de segunda-feira Ricardo Duarte/Agencia RBS
Milhares de professores participaram da assembleia no Gigantinho Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS

Em assembleia geral na tarde desta sexta-feira no Ginásio Gigantinho, em Porto Alegre, os professores aprovaram greve do Magistério do Estado a partir da próxima segunda-feira por tempo indeterminado. Milhares de professores participaram do encontro.

Professores aprovaram greve nas escolas estaduais a partir da próxima segunda-feira, por tempo indeterminado. Você concorda?

Ao longo desta semana, em encontros regionais, a maior parte dos núcleos do sindicato já havia se mostrado a favor da interrupção das atividades.

Na assembleia desta sexta, algumas vertentes da entidade defenderam paralisação em março, no começo do ano letivo de 2012. No entanto, a maioria votou na interrupção das atividades a partir desta sexta — na prática, segunda-feira.  

Por volta das 16h10min, depois da decisão, os professores seguiam em uma caminhada até o Palácio Piratini, na Praça da Matriz, onde pretendem fazer um ato público.

Veja os pontos de divergência entre o Cpers e o governo do Estado:

O que pede o Cpers O que diz a secretaria de Educação
PISO SALARIAL
Pagamento imediato do piso nacional, de R$ 1.187 para 40 horas. O Cpers argumenta que, mesmo tendo assinado a lei juntamente com outros ministros à época, como governador Tarso Genro não a colocou em prática. Sustenta que Tarso assinou documento durante a campanha no qual se comprometia a criar condições, ao longo de seu governo, para cumprir o piso. Informa que não há qualquer possibilidade financeira de pagar imediatamente o piso
SISTEMA DE AVALIAÇÃO
Não concorda com o sistema destinado a avaliar a eficiência do ensino por meio de uma série de indicadores que incluem condições de trabalho, frequência e abandono dos alunos, por considerar que responsabiliza os professores por dificuldades estruturais. Não pretende retirar a proposta da pauta e considera que o Cpers adota uma posição "simplista de quem não quer aprofundar a proposta". O secretário afirma que a própria secretaria será alvo de avaliação por parte da comunidade escolar no sistema previsto
REFORMA DO ENSINO MÉDIO
Não concorda com as mudanças destinadas a aproximar o Ensino Médio do mercado de trabalho. Elas preveem, entre outras novidades, a inclusão de disciplinas diversificadas em áreas de interesse de cada escola e a realização de "estágios" dos alunos em ambientes profissionais É uma das principais bandeiras da SEC, incomodada com os índices de repetência e abandono do Ensino Médio — de 40%. Argumenta que, hoje, o modelo desse nível de ensino está "completamente falido" e nem prepara para o vestibular, nem garante profissionalização.

Notícias Relacionadas

Professores x Governo 18/11/2011 | 16h36

Greve é ineficiente porque não temos como pagar o piso em 2011, diz secretário de Educação

Decisão de paralisar foi tomada na tarde desta sexta-feira em assembleia do Cpers

Paralisação dos professores 18/11/2011 | 15h32

Greve a 30 dias do fim do ano letivo é violência contra os alunos, afirma representante de pais

Cpers decidiu em assembleia no Gigantinho paralisação a partir de segunda-feira

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.