Incêndio na Antártica

O fogo deve ter se propagado rapidamente, conta professor que testemunhou incêndio

Adelino Canário é professor de Biologia e está na Antártica para estudar peixes

25/02/2012 | 18h13
O fogo deve ter se propagado rapidamente, conta professor que testemunhou incêndio Pedro Guerreiro, Arquivo Pessoal/
Da estação polaca de Arctowski, professor viu fumaça espessa Foto: Pedro Guerreiro, Arquivo Pessoal
Zero Hora entrevistou por e-mail uma testemunha do incêndio na Estação Antártica Comandante Ferraz. Adelino Canário é professor de Biologia na Universidade do Algarve, em Faro, Portugal. Está na Antártica para estudar peixes e perceber como reagem ao aumento da temperatura da água e à diminuição de salinidade. Estes peixes vivem em temperaturas entre -2 e +2 ºC e não toleram temperaturas de mais de 5-6 ºC.

ZH — Onde o senhor estava quando viu o incêndio?

Adelino Canário — Eu estou na estação polaca de Arctowski que fica do outro lado da Baía do Almirantado, onde se encontra a estação de Ferraz. Os feridos foram transportados de zodíaco (barco de borracha) da estação de Ferraz para aqui e daqui foram levados pelo helicóptero chileno para o hospital, na estação chilena de Frei, a cerca de 15 km. Foi nessa altura, cerca das 7 horas da manhã, que dei pelo acontecido.

ZH — O que o senhor viu?

Adelino Canário —
Daqui via-se a fumaça negra, espessa, que se levantava da estação. E através de binóculos via-se que as pessoas estavam reunidas na praia, de onde eram recolhidas pelos helicópteros chilenos para evacuação. O fogo deve ter-se iniciado pouco depois da meia-noite e propagado rapidamente. O alerta foi dado cerca de 1 hora da manhã.

ZH — O senhor sabe como foi o combate ao incêndio?

Adelino Canário —
Não estava na proximidade para saber que tentativas de combate ao incêndio foram feitas. Mas foi-me indicado que após a avaria dos geradores o sistema de combate a incêndio ficou muito limitado. Aqui a atmosfera é muito seca e é fácil gerar faíscas. O fogo propaga-se rapidamente.

ZH — Viu algum dos brasileiros resgatados?

Adelino Canário —
Vi a pessoa chegar no zodíaco para ser transportada de helicóptero, mas não me aproximei.

ZH — O que mais o senhor viu?

Adelino Canário —
Havia três helicópteros no transporte contínuo das cerca de 60 pessoas de Ferraz para Frei, a partir das cerca das 8 horas da manhã daqui. Havia ainda dois navios da Marinha Argentina nas imediações. O pessoal polonês da estação de Arctowski esteve no local para ajudar desde a 1 hora da manhã. Além de trazerem o ferido, forneceram apoio com bebidas quentes.

Leia também o relato de Adelino Canário ao site Ciência Hoje


Notícias Relacionadas

Fogo na Antártica 25/02/2012 | 15h44

Ministério da Defesa nega que base tenha sido destruída

Segundo relatos de pesquisadora, houve perda total na exposição

Incêndio em estação 25/02/2012 | 15h08

Perda na Antártica foi total, diz pesquisadora

"Soube que houve uma explosão enquanto todos estavam dormindo", conta Yocie Valentin

Escala no Estado 25/02/2012 | 15h05

Furg ajuda no socorro a brasileiros na Antártica

Kits com roupas e equipamentos serão enviados para a equipe de resgate

Sem contato 25/02/2012 | 13h34

Pesquisadores gaúchos: equipe na Antártica está isolada

"Não conseguimos nenhum contato com a estação", afirma o cientista afirma Jefferson Simões

Fogo em base da Marinha 25/02/2012 | 11h36

Incêndio em estação brasileira na Antártica deixa militar ferido e dois desaparecidos

Chamas começaram na praça de máquinas da estação por volta de 2h

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.