Resposta internacional

Conselho de Direitos Humanos da ONU condena a Síria por violações

Condenação contou com o apoio de 37 países, três abstenções e um voto contrário

01/03/2012 | 09h40
O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) condenou nesta quinta-feira (1º) o governo da Síria pelos ataques a civis e pelas violações sistemáticas e exigiu o acesso irrestrito das organizações humanitárias ao país. Em 11 meses, estima-se que cerca de 7 mil pessoas morreram em cidades sírias.

A condenação contou com o apoio de 37 países, três abstenções e um voto contrário. Abstiveram-se da votação as delegações de Cuba, da China e da Rússia. O embaixador do Irã votou contra a proposta. A cadeira do representante da Síria permaneceu vazia durante a sessão.

Segundo o governo do presidente sírio, Bashar Al Assad, a iniciativa estava sendo politizada. Na decisão, o conselho destaca que os ataques a civis na Síria podem constituir crimes contra a humanidade. A resolução, apresentada pelas delegações da Turquia e do Catar com o apoio de mais 50 países, pede a responsabilização dos envolvidos nas violações cometidas no país.

O conselho reitera a necessidade de um cessar-fogo urgente e a autorização da entrada de agências humanitárias para ajudar as vítimas, que não têm acesso a alimentos, água, assistência médica e serviços básicos. O representante do México no Conselho de Direitos Humanos na ONU, Juan José Gómez Camacho, defendeu a resolução.

— O desempenho do governo sírio é inaceitável e condenável. O Conselho de Direitos Humanos se manifesta de forma intensa, condenando o governo sírio e cobrando a permissão para a entrada de ajuda humanitária — disse.

Notícias Relacionadas

Repressão sangrenta 28/02/2012 | 15h35

Conflitos na Síria deixaram mais de 7,5 mil mortos desde março, segundo a ONU

Número excede os 100 civis por dia, incluindo mulheres e crianças, afirmou funcionário da organização

Pressão 27/02/2012 | 11h39

União Europeia impõe novas sanções à Síria

Chanceleres querem forçar o regime de Bashar Al Assad a suspender ações repressivas e conter onda de violência no país

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.