Barbárie em Rio Pardo

Após morte brutal em Rio Pardo, viúva não tem coragem de voltar para casa

Zero Hora reconstitui assassinato de agricultor de 80 anos depois de recusar-se a entregar dinheiro a bandidos

14/05/2012 | 04h20
Após morte brutal em Rio Pardo, viúva não tem coragem de voltar para casa Bruno Alencastro/Agencia RBS
O cenário do crime: Gabriel foi morto a tiros sobre a cama onde minutos antes repousava e fazia planos com a mulher Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS
Zero Hora reconstitui o brutal assassinato de um agricultor de 80 anos dentro de casa, no Interior, após recusar-se a entregar dinheiro a bandidos

A cama de ferro, pintada de branco e sem enfeites – como recomenda a austera vida no Interior – está intocada desde a noite do crime. Ensanguentada, com lençóis amarrotados às pressas por três bandidos que procuravam dinheiro, é a prova da barbárie. Celira Passos, a dona daquele lar agora desfeito, ainda não teve coragem de voltar para casa, em Capão do Valo, interior de Rio Pardo. O cenário ali permanece congelado, como na hora em que Gabriel dos Passos, o marido e único homem de toda uma vida, foi executado com três tiros. Na parede, um retrato de Nossa Senhora Aparecida parece velar o local da tragédia.

Os criminosos chegaram com o anoitecer da última sexta-feira. Eram 19h e Celira, 84 anos, e Gabriel, 80 anos, tinham acabado de jantar. Deitados na cama, liam revistas e conversavam sobre planos. Sim, mesmo após 52 anos de casados, tinham muitos planos. O maior deles: adquirir terras de vizinhos para ampliar o plantio de soja.

— Só lembro do estouro. Um barulhão tremendo, seguido do vidro quebrando — recorda Celira.

O ribombar que ecoa nos ouvidos de Celira foi provocado pelos criminosos ao quebrarem a porta da casa do sítio a pontapés. Vidro, madeira, foi tudo para dentro à base de coices. Sem dar tempo para alguém levantar, o trio ingressou no quarto do casal. Os bandidos estavam com toucas-ninja e, estranhou Celira, “calças com manchas camufladas, como se fossem milicos”. Na mão de um deles, uma espingarda de cano curto. Na de outro, uma pistola.

— Cadê o dinheiro, vô? Cadê? — perguntou um dos assaltantes, aos gritos.

Ato contínuo, encostou a pistola no ouvido direito de Celira, que estava no lado direito da cama. Gabriel disse que não tinha dinheiro.

— Só ouvi três estouros e meu amor, que tinha se sentado, deitou de vez na cama. Sangrando. E não levantou mais — relata ela.

Gabriel Passos levou dois tiros na cabeça e um no braço direito. As balas atravessaram o corpo e a parede de madeira da casa. Celira começou a berrar, mas os bandidos não se importaram. Queriam dinheiro.

— Pelo amor de Deus, não me mata, eu sei onde tem dinheiro — gritou a idosa.

Celira levou então os criminosos até o quarto de hóspedes e abriu uma caixinha de madeira dentro de um roupeiro, onde o casal guardava R$ 2 mil. Os bandidos pegaram a quantia, amarraram pés e mãos da idosa com uma corda de nylon e a levaram para o pátio do sítio, onde a prenderam num cipreste. O trio fugiu quando gritos começaram a surgir – era a filha de Celira, Vera Regina, que mora num outro sítio a 200 metros estrada acima, perguntando pela mãe.

Mas Celira não conseguia ouvir nem enxergar nada. Estava cega de pavor. Com a ponta de um dedo, conseguiu remexer nos nós da corda até desamarrar uma ponta e se soltar. Em vez de procurar a filha, correu para o outro lado, em direção à propriedade rural dos vizinhos Valdir e Gelsea Soares Camargo. Foi tão depressa que perdeu um chinelo pelo caminho, tropeçou em pedras, caiu, pulou uma cerca – numa sequência que mal lembra. Foi acudida aos gritos, toda esfolada, sangrando, mas viva. Desde então, ela pernoita na casa da filha. Sem dormir direito. Com pesadelos constantes. À base de calmantes.

O genro de Celira, Fernando Machado Chaves, chamou a Brigada Militar. Veio uma guarnição de Candelária e, duas horas depois, uma equipe da Polícia Civil de Rio Pardo, que nunca tinha pisado no distrito de Capão do Valo. Pudera, o lugar fica a 48 quilômetros do centro do município, por estrada de chão.

O delegado Anderson Faturi, da DP de Rio Pardo, vai ouvir hoje a sobrevivente do assalto, bem como familiares. A ideia é afastar a hipótese de vingança ou emboscada premeditada. Tudo indica que foi mesmo um assalto, mas o policial estranha, sobretudo, um fato. Os criminosos pareciam saber muito bem que o casal tinha dinheiro em casa:

— Tudo indica que alguém das relações do casal estava informado sobre seus hábitos.
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.