Depois de Mubarak

Com doze candidatos e possível segundo turno, eleição no Egito será nesta quarta

Corpo eleitoral é composto por cerca de 52 milhões de egípcios com mais de 18 anos

22/05/2012 | 15h17
Com doze candidatos e possível segundo turno, eleição no Egito será nesta quarta MAHMUD HAMS/AFP
Egípcios caminham em frente a tanques de guerra na véspera da eleição em Cairo Foto: MAHMUD HAMS / AFP
A eleição presidencial egípcia será realizada nesta quarta-feira e, se nenhum candidato conseguir a maioria absoluta, um segundo turno acontecerá nos dias 16 e 17 de junho. O corpo eleitoral é composto por cerca de 52 milhões de egípcios com mais de 18 anos. Os expatriados podem votar, e já o fizeram nos dias 11 e 17 de maio.

As urnas serão abertas às 8h e fechadas às 20h no horário local (entre 3h e15h no horário de Brasília). Os resultados oficiais do primeiro turno serão anunciados em 27 de maio e os do segundo turno, em 21 de junho.

Há doze candidatos na disputa, após a impugnação de dez por irregularidades no registro ou condenações judiciais, o que os torna inelegíveis. Outro candidato desistiu por opção.

O Alto Comissariado Eleitoral, composto por juízes, é responsável pela supervisão da eleição. As autoridades haviam rejeitado inicialmente a presença de observadores estrangeiros, mas eventualmente mudaram de ideia e admitiram a presença de vários, incluindo representantes do Centro Carter, dos Estados Unidos.

Os principais candidatos são Amr Musa (ex-ministro das Relações Exteriores de Hosni Mubarak e ex-chefe da Liga Árabe), Abdel Moneim Abul Futuh (islamita independente), Mohamed Mursi (da Irmandade Muçulmana) e Ahmed Shafiq (o último primeiro-ministro de Mubarak).

Outros candidatos com menos chance de chegar ao segundo turno, mas que podem atingir percentuais significativos, são Hamdin Sabahi (da esquerda nasserista), Selim al-Awa (islamita) e Ali Khaled (militantes pró-direitos Humanos).

Entre os candidatos, não há uma mulher ou qualquer membro da comunidade de cristãos coptas (que representam cerca de 10% da população).

Em um país com 40% de analfabetismo, o nome de cada candidato estará associado a um símbolo na cédula: Musa com o sol, Abul Futuh com um cavalo, Mursi com uma balança e Shafiq com uma escada.

O Conselho Superior das Forças Armadas (CSFA), que governa o país desde a queda de Mubarak em fevereiro de 2011, comprometeu-se a entregar o poder até 30 de junho. O novo presidente terá um mandato de quatro anos.
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.