Versão mobile

Câmara Municipal

CPI do Instituto Ronaldinho Gaúcho convoca secretários para depor, mas ainda não tem data para ouvir Assis

Serão convocados os titulares das pastas de Governança Local, Educação e Fazenda, além do procurador-geral do município

03/05/2012 - 13h56min

Graças à lentidão da formalidade, ainda não há data para o depoimento do empresário e irmão de Ronaldinho Gaúcho, Roberto Assis Moreira, à CPI que investiga supostas irregularidades em convênios do Instituto Ronaldinho Gaúcho (IRG) com a prefeitura da Capital. A expectativa de que o dia do comparecimento de Assis à Câmara Municipal fosse definido na reunião desta quinta-feira foi frustrada.

De acordo com a assessoria do vereador Mauro Pinheiro (PT), que preside a comissão parlamentar de inquérito na Câmara, o advogado do empresário, Sérgio Queiroz, exigiu que a convocação do seu cliente siga com rigidez os procedimentos formais. Por isso, o defensor solicitou que o documento de convocação seja enviado à residência de Assis no Rio de Janeiro, para que só então seja marcada a data do depoimento.

O vereador Márcio Bins Ely (PDT) afirma que a CPI já recebeu do advogado o endereço de Assis e que o seu comparecimento é questão de tempo:

— Ele já foi convocado. Uma hora, ele vai ter que aparecer — afirmou.

Na reunião desta quinta, que acabou por volta das 12h30min, a comissão aprovou as convocações dos secretários municipais de Coordenação Política e Governança Local, Cezar Busatto, de Educação, Cleci Maria Jurach, e da Fazenda, Roberto Bertoncini, além do procurador-geral do município, João Batista Linck. As datas dos depoimentos ainda não foram definidas. Também foi aprovada a requisição de documentos dos convênios do IRG com a prefeitura.

A reunião acabou em meio a um impasse. Por falta de quórum, não pôde ser votado um requerimento do vereador Tarciso Flecha Negra (PSD) para que fossem ouvidas uma mulher e uma adolescente da comunidade da zona sul, que desejavam falar sobre o atendimento no IRG. Os parlamentares da bancada governista teriam se retirado para esvaziar a comissão e impedir a votação do  depoimento. O vereador Bins Ely nega a manobra:

— A reunião estava prevista para terminar às 12h e já eram 12h15min. Eu tinha um almoço inadiável. Mas se o requerimento não foi votado hoje, vai ser o primeiro a ser votado na próxima reunião — afirma.

Notícias Relacionadas

Suspeitas na Capital 19/04/2012 | 11h38

Câmara instala CPI do Instituto Ronaldinho Gaúcho e discute convocação de Assis

Comissão deve apurar supostas irregularidades na parceria entre a prefeitura e o instituto

VEJA TAMBÉM

     
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.