Intoxicação alimentar

Vigilância suspende venda de recheio de esfirras em lojas de rede de comida árabe na Capital

Laudos apontaram a presença de três tipos de bactérias no recheio do alimento

10/05/2012 - 10h13min | Atualizada em 10/05/2012 - 12h49min
A Coordenação de Vigilância em Saúde (CGVS) de Porto Alegre suspendeu a venda do recheio usado em esfirras nas lojas da rede de comida árabe Habib's localizadas na cidade. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, a medida cautelar ocorreu depois de investigação de um surto de toxinfecção alimentar recebida de três consumidores em abril deste ano.

Os laudos de análise realizados pelo Laboratório Central do Estado (Lacen) apontaram a presença de três tipos de bactérias patogênicas: Listeria monocytogenes, Escherichia coli e Bacillus cereus nos recheios utilizados nos lanches. 

— Estas bactérias podem causar diarreia, vômitos e, em alguns casos, até aborto, tendo sua severidade relacionada com as condições imunológica da pessoa que ingeriu o alimento — alerta o chefe da equipe de vigilância de alimentos da CGVS, Paulo Antonio Casa Nova.

Os recheios são fabricados em uma central de produção localizada em Canoas, que distribui o alimento para todas as lojas da rede localizadas em Porto Alegre. A medida permanece em vigor até que sejam realizadas ações corretivas, que restabeleçam a condição sanitária segura dos alimentos, comprovada por meio de nova análise laboratorial.

— Se eles tiverem alternativa ao recheio, podem vender as esfirras. Nas amostras que coletamos, a contaminação veio no recheio — afirma o chefe adjunto da equipe de vigilância de alimentos da CGVS, José Carlos Sangiovanni.

A empresa divulgou nota esclarecendo o caso. Confira a íntegra:

Com relação à suspeita da presença de bactéria nos recheios das esfirras, a empresa esclarece que:

— Após tomar conhecimento dos fatos, iniciou o processo de análise e apuração da ocorrência;

— Trata-se de um caso isolado, ocorrido em uma unidade da rede na capital gaúcha, cujas análises e contraprovas estão em andamento;

— Em respeito ao seu consumidor, designou que suas equipes de operações e qualidade trabalhassem em conjunto com a Vigilância Sanitária para o esclarecimento dos fatos e conclusão das análises;

— Até que os resultados sejam concluídos, o abastecimento dos produtos em questão, nas unidades de Porto Alegre, está sendo realizado pela cozinha central de Curitiba;

A direção da Rede esclarece que todos os cuidados com relação à produção e ao manuseio dos produtos são acompanhados por uma equipe, que envolve profissionais técnicos e ligados ao segmento da saúde;

O conceito de produção verticalizado da empresa propicia a padronização de produtos e processos, garantindo qualidade e escala necessárias.

Faz parte da política da empresa, uma conduta ética e transparente, que prima pela gestão e pelo cuidado com as pessoas. Esse é o motivo pelo qual a empresa investe significativamente em aprendizado, qualificação, tecnologia e desenvolvimento profissional.
 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.