Crime na Capital

Bioquímico suspeito de assassinato "investigava" a mulher

Mãe e filho foram encontrados mortos na manhã desta quinta-feira em Porto Alegre

Atualizada em 28/07/2012 | 12h1326/07/2012 | 17h56
Bioquímico suspeito de assassinato "investigava" a mulher Arquivo pessoal/Arquivo pessoal
Márcia (na foto, com Matheus) teria tido os e-mails rastreados pelo marido Foto: Arquivo pessoal / Arquivo pessoal

O bioquímico Ênio Luiz Carnetti, suspeito de assassinar a mulher, Márcia Calixto Carnetti, e filho, Matheus Carnetti, teria investigado a mulher antes de cometer o crime, segundo a Polícia Civil. Os corpos de Márcia e de Matheus foram encontrados pela polícia nesta manhã, em uma casa no bairro Tristeza, zona sul de Porto Alegre.

Ênio Luiz Carnetti deve ser transferido ainda nesta quinta para o Presídio Central — ele se recuperava no Hospital de Pronto Socorro depois de se jogar de ponte  na BR-290 e ser resgatado por pescadores.

Ênio e Márcia eram casados há 15 anos e, segundo testemunhas, os episódios de ciúme por parte do marido não seriam recentes. Dessa vez, segundo o delegado Cléber dos Santos Lima, o marido teria conseguido acessar os e-mails de Márcia e encontrado mensagens que poderiam indicar uma traição. Na casa, os policiais encontraram os e-mails impressos junto com os bilhetes escritos por ele.

— Estou perplexo. Eu nunca imaginei, porque ele era um bom pai. E, para mim, a minha irmã nunca se queixou dele — comentou o irmão de Márcia, Rafael Calixto.

Ênio é funcionário público estadual e trabalha como bioquímico no Laboratório Central de Saúde Pública do Estado (Lacen). Também seria sócio de um laboratório de análises químicas. Márcia era enfermeira do município. O menino frequentava uma escola particular na Zona Sul.

VEJA TAMBÉM

     
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.