Descontrole na Assembleia

MP de Contas vai apurar supostas irregularidades no parlamento estadual

Procurador-geral do MP de Contas, Geraldo da Camino, vai verificar se há problemas no controle de efetividade e pediu auditoria em relação ao caso de servidora

10/07/2012 | 16h06

O procurador-geral do Ministério Público de Contas, Geraldo da Camino, abriu expediente para apurar possíveis irregularidades no controle da efetividade de servidores da Assembleia Legislativa. O procedimento foi aberto a partir de reportagem publicada na edição desta terça-feira de Zero Hora.

Como primeira medida, solicitou ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) auditoria sobre a efetividade da servidora Lídia Rosa Schons.

Leia mais:

> Ministério Público investigará caso de servidora que não cumpre horário
Jogo de empurra na Assembleia: de quem é a responsabilidade?
> Blog da Rosane: Presidente da AL diz que responsabilidade é dos deputados

Ela trabalha no gabinete do deputado Paulo Azeredo (PDT) como recepcionista, ganha salário bruto de R$ 24,3 mil — acima do teto de R$ 24,1 mil do parlamento — e não cumpre a jornada de trabalho estipulada em lei. ZH flagrou e fotografou a servidora passeando com um cachorro e fazendo compras em horários em que deveria estar cumprindo expediente no legislativo. Lídia afirmou à reportagem que trabalha das 8h30min às 13h30min, portanto, não faz as oito horas exigidas do servidor público.

A Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público também abriu inquérito para investigar o caso.

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.