Gastos sem controle

Servidora que repassou gratificação a colega diz desconhecer critérios

Assessora parlamentar na bancada do PDT tirou licença e deixou Lídia Schons em seu lugar

11/07/2012 | 05h14

Miguelina Vecchio, 49 anos, assessora parlamentar na bancada do PDT, é socióloga e vice-presidente para América Latina da Internacional Socialista de Mulheres. Em 2011, deixou uma recepcionista trabalhando em seu lugar enquanto se afastou em licença-prêmio.

Miguelina Paiva Vecchio

Assessora parlamentar do PDT

"Não sei quais são os critérios"

ZH — Foi a senhora quem indicou Lídia Schons para substituí-la?

Miguelina - Normalmente, os colegas que estão em final de carreira pedem quando sabem que alguém vai tirar licença-prêmio. Como ela era uma pessoa que precisava, precisava não sei bem se é a palavra exata, sempre estão procurando acumular o tempo de serviço, ela vinha trabalhar, eu não vi nenhum problema nisso.

ZH — Ela precisava em que sentido, financeiro?

Miguelina — Precisava para melhorar o salário da aposentadoria. Os funcionários de carreira têm uma graduação ao longo dos anos, se eles ficam tanto tempo num cargo X, podem se aposentar com tantos por cento desse valor. É uma coisa que nós CCs não temos.

ZH — Qual a sua função?

Miguelina - Dou pareceres em projetos que dizem respeito a mulheres, faço atendimentos às questões de mulher que se apresentam na bancada. Sempre procuro fazer o recorte de gênero. Faço folders quando tem evento que o deputado (o líder da bancada) vai se envolver, escrevo texto para ele falar ou fazer discurso na tribuna.

ZH — A senhora tem formação superior, é socióloga. Como Lídia, somente com ensino fundamental e que nos disse ter feito carreira como recepcionista, pode lhe substituir? Ela teria qualificação para dar parecer em projetos de lei?

Miguelina - Claro que não. Não diria que ela não tem qualificação para dar um parecer. Nunca pedi para ela dar parecer.

ZH — Quem fica no seu lugar não deveria ser capaz de executar o mesmo trabalho?

Miguelina - É que tem outras colegas que também podem fazer.

ZH — As pessoas procuram essas indicações para acumular valores para a aposentadoria?

Miguelina - Para mim foi pedido assim: "Tu vai sair, tem problema para ti?" Desde que ela trabalhe, não tem problema.

ZH — Mas e se precisasse um parecer num projeto?

Miguelina - Não foi o caso, não aconteceu. Se acontecesse, eu estava de licença, mas estava por aqui, poderia dar um parecer.

ZH — Então não há critérios para as substituições?

Miguelina — Não sei mesmo quais são os critérios.

Leia mais:

>
Servidora que repassou gratificação diz desconhecer critérios
> MP investigará caso que servidora que não cumpre horários na Assembleia
> Servidora fala a ZH: "Trabalho das 8h30min às 13h30min"
> Jogo de empurra na Assembleia: de quem é a responsabilidade?
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.