Cafuringa

Foragido da polícia, suspeito de assaltos a banco e crimes cometidos fora do país é preso no RS

Enivaldo Farias, 41 anos, foi encontrado por agentes do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) em uma residência em Cachoeirinha

Atualizada em 23/08/2012 | 13h4623/08/2012 | 07h02
Foragido da polícia, suspeito de assaltos a banco e crimes cometidos fora do país é preso no RS Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Cafuringa não reagiu ao ser preso em uma residência em Cachoeirinha Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS
Conhecido como Cafuringa, um dos maiores assaltantes a banco do Brasil foi preso na manhã desta quinta-feira em Cachoeirinha, na Região Metropolitana de Porto Alegre, por 14 agentes do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

Segundo o delegado Juliano Ferreira, que comandou a ação policial, Enivaldo Farias, 41 anos, é foragido das polícias gaúcha, catarinense, federal e paraguaia, suspeito de ataques a banco. Ele estava escondido em uma casa de pai de santo e foi detido sem reagir. O assaltante será encaminhado para o Presídio Central de Porto Alegre. Com o criminoso, foram apreendidos telefones celulares, dinheiro e duas pistolas 9 milímetros.

 

Após carreira criminosa na Região Metropolitana de Porto Alegre, Cafuringa se envolveu em ataques a bancos e carros-fortes em outros Estados, como São Paulo e Bahia. No Rio Grande do Sul, é apontado como articulador de assaltos a caixas eletrônicos, bancos e carros-fortes. O mesmo tipo de crime teria sido realizado também nos países vizinhos Paraguai e Uruguai, segundo o delegado.

Considerado o principal foragido gaúcho pelos agentes do Deic, Enivaldo Farias é descrito como um bandido meticuloso, que dedica vários dias à observação e ao planejamento antes de atacar.

 

Em maio de 2010, Cafuringa conseguiu liberdade condicional. Ele estava desde 2009 no regime semiaberto, num albergue contíguo à Penitenciária Estadual do Jacuí, em Charqueadas. Com a condicional, o apenado podia deixar a prisão e ficar em casa desde que se apresentasse mensalmente à Justiça.

O último assalto

O crime mais recente do qual Cafuringa é suspeito de ser responsável ocorreu na semana passada na cidade de Içara (SC). Na ação, a mulher do tesoureiro de uma agência do Banco do Brasil de Içara foi sequestrada em Criciúma e o funcionário, obrigado a retirar dinheiro do cofre da agência bancária para pagar o resgate. Por cerca de 13 horas, a família foi mantida em cárcere privado. Com R$ 300 mil em posse dos criminosos, a mulher foi libertada sem ferimentos.

VÍDEO: Gravações mostram quadrilha de Cafuringa combinando assalto a banco em Criciúma (SC)




Resgate após emboscada em 2005

Cafuringa é personagem-chave de uma tragédia. Em janeiro de 2005, em Montenegro, ele foi resgatado durante emboscada armada por colegas, quando era levado para uma audiência. Na fuga, um agente penitenciário foi assassinado.

O criminoso foi recapturado quatro meses depois, em São Paulo. Chegou a ser transferido para o presídio federal de Catanduvas, no Paraná. Ficou pouco tempo lá e e retornou ao RS. Ele chegou a ser investigado, em 2005, por suspeita de envolvimento na morte de Dilonei Melara, que comandou a maior fuga do Presídio Central de Porto Alegre, em 1994. Os policiais não acharam provas de sua participação na morte.

Notícias Relacionadas

Cárcere privado 15/08/2012 | 22h43

Quadrilha que fez família refém no Sul de SC pode ter participado de outras ações

Mulher de tesoureiro do Banco do Brasil de Içara só foi libertada após ele retirar R$ 600 mil do cofre da agência

Crime sendo investigado 15/08/2012 | 13h55

Mulher de bancário é libertada após sequestro-relâmpago no Sul de SC

Logo cedo ela foi abordada pelos criminosos ao sair de casa

Crime em crescimento 16/07/2012 | 06h02

Polícia Civil está em alerta contra ataques a carros-fortes no Estado

Agentes investigam se quatro episódios registrados desde maio têm relação

VEJA TAMBÉM

     
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.