Antes que desabe

Intervenção tenta salvar prédio que abrigou primeira fábrica de discos do Estado

Desapropriação do imóvel entra na fase final, depois de décadas de descaso com o patrimônio

03/08/2012 | 05h04
Intervenção tenta salvar prédio que abrigou primeira fábrica de discos do Estado Félix Zucco/Agencia RBS
Sede da antiga gravadora se encontra abandonada, com paredes ruindo e o telhado cheio de buracos Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Resta uma esperança para um pedaço da história da música do Rio Grande do Sul prestes a desabar no bairro Glória, em Porto Alegre. Encravada na Avenida Sergipe, a Casa A Eléctrica, lar da primeira fabricante de discos do Estado, deverá ser desapropriada em breve pela prefeitura.

Do formato original em U do imóvel, restou um I meio bambo do prédio onde funcionou a Eléctrica, nos primórdios do século 20. Uma ala já desabou, em alguma data perdida no passado. Destroçada por dentro, com o telhado despedaçado e sustentado por ripas de madeira, a casa amarga um destino que mancha a história musical gaúcha.

A salvação da segunda gravadora mais antiga do país (a primeira é a Casa Edison, no Rio, fundada em 1900) pode ser o processo de desapropriação determinado há quase um ano pelo prefeito José Fortunati e que agora está em fase final, de acordo com o coordenador da Memória Cultural da Secretaria Municipal da Cultura (SMC), Luiz Antônio Bolcato Custódio.

A intervenção da prefeitura, após décadas de descaso com o patrimônio, era a única forma de resolver a situação em um local privado envolvido em pendências judiciais.

— Não teria outra forma de se recuperar esse imóvel de tanta importância histórica. O terreno está sendo dividido e, com isso, poderemos fazer a restauração da casa — disse Custódio.

Imóvel pode abrigar um memorial sobre sua história

Uma ação do Ministério Público para que o município restaure a casa, tombada pelo patrimônio histórico, aguarda decisão do juiz desde 16 de dezembro do ano passado. A ação é conexa a outra, do município, que é contra os proprietários. Ainda não há uma previsão sobre a decisão.

Se a Eléctrica for salva a tempo, no futuro o imóvel não deverá se tornar um museu da imagem e do som, como já foi cogitado. O pequeno porte do prédio e o risco de colisão com as funções do Museu Hipólito José da Costa enfraqueceram essa possibilidade.

A opção mais forte, atualmente, é que a casa conte com um memorial sobre a sua história e um tipo de uso vinculado a essa condição. Seria uma forma de a cidade fazer as pazes com o seu passado.

VEJA TAMBÉM

     
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.