Opinião

Humberto Trezzi: fim do mistério das praias sumidas?

A dragagem clandestina é um dos alvos da Polícia Federal na Operação Concutare

29/04/2013 - 11h30min

Estreou com pé direito o delegado Sandro Caron no cargo de Superintendente da Polícia Federal no Rio Grande do Sul. Prisão de secretários e ex-deputados não é para debutantes na profissão. E o mais interessante é que mirou numa área, o meio ambiente, na qual há pelo menos uma década proliferam denúncias de crimes sem que autoridades encarregadas da fiscalização preventiva consigam enxergá-los. Não viam ou não queriam ver? Essa é a questão poderá ser respondida pela Operação Concutare.

Saiba Mais:
> Secretários do Meio Ambiente são presos em operação da Polícia Federal
> Tarso Genro afasta o secretário de Meio Ambiente
> Fortunati afasta o secretário do Meio Ambiente
> Em Israel, Tarso foi avisado de prisão de secretário

A serviço de Zero Hora, este repórter e o colega Carlos Wagner realizaram em 2007 uma extensa investigação que resultou, em junho daquele ano, na série de reportagens Piratas de Areia. Nela se comprova que sumiram pelo menos 33 praias do Rio Jacuí, desapareceram 10 pontais e foram derrubadas mais de 42 mil árvores que vicejavam sobre algumas das suas enseadas. Tudo obra de dragas de mineração de areia, que agem de forma clandestina. A reportagem flagrou essas máquinas em ação em locais proibidos. Em 2013, a RBS TV e a Rádio Gaúcha fizeram uma investigação semelhante, provando que nada mudou.

Bom que o leitor saiba, não só a paisagem é destruída. Os estragos prejudicam a navegabilidade, o abastecimento de água e de eletricidade e resultam em extorsão de empresários da construção civil na Região Metropolitana, muitos dos quais precisam pagar propina para obter areia. Pelas primeiras informações, a dragagem clandestina é um dos alvos da PF nessa operação que tem tudo para ficar na história.

 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.