Acirramento de ânimos

Violência em protestos no Rio Grande do Sul preocupa o Palácio Piratini

Anarquistas internacionais estariam orientando líderes do movimento a adotar táticas de guerrilha

19/06/2013 - 22h36min

É grande o nível de tensão na cúpula do Palácio Piratini com a ameaça de acirramento de ânimos nas manifestações de rua em Porto Alegre. Informações vazadas por integrantes do Bloco de Luta pelo Transporte Público — grupo que organiza os atos na capital gaúcha — e interceptações feitas por autoridades policiais indicam que grupos de anarquistas internacionais estão orientando os líderes do movimento em Porto Alegre a adotar táticas de guerrilha.

Para o ato desta quinta-feira, que terá início às 18h, em frente à prefeitura, os esquerdistas que lideram as passeatas, ligados, em maioria, ao PSOL, PSTU e PCO, além de anarquistas e punks, foram orientados a cortar tonéis de plástico para utilizar como escudo nos eventuais enfrentamentos com a Brigada Militar. Instruções para a fabricação de bombas caseiras, coquetéis molotov e movimentos estratégicos de avanço nas marchas também vieram de grupos do Exterior.

O assunto esteve na pauta da reunião da cúpula do Piratini na tarde desta quinta-feira, contando com a presença de alguns deputados e do governador Tarso Genro, que estaria "preocupadíssimo" com o nível de tensão alcançado.

As orientações estrangeiras viriam principalmente via internet e telefone, mas anarquistas de fora do país já visitaram os líderes dos protestos em Porto Alegre.

 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.