Velho problema, nova roupagem

Relatório inédito aborda trabalho escravo no mundo

Organização fundada por bilionário australiano elabora primeira versão de um índice global da escravidão contemporânea

16/10/2013 - 21h20min

A visão de um bilionário, aconselhado por outro, resultou em um inédito levantamento sobre o trabalho escravo no mundo.

O primeiro é Andrew Forrest, um dos homens mais ricos da Austrália. O segundo, o conselheiro, é Bill Gates, que dispensa apresentações.

Leia mais:
>>>> "O Brasil tem boas políticas nacionais", diz coautor de estudo sobre escravidão

Forrest, dono de uma fortuna estimada em US$ 4,3 bilhões, criou a Fundação Walk Free (WFF), determinada a erradicar o que chama de "escravidão moderna". E, conforme informações da Bloomberg, seguiu a dica de Bill — ambos integrantes do Giving Pledge, grupo de empresários que doam boa parte de suas fortunas à filantropia — tratou de medir o problema no mundo para poder agir de forma certeira. Assim surgiu o The Global Slavery Index (Índice Global de Escravidão), cujo primeiro relatório foi divulgado nesta quarta-feira. Segundo a organização, compila e analisa de forma inédita o problema.

Entre os 20 países com a pior posição, 14 são africanos, embora 75% dos escravos vivam na Ásia. Porém, nem os países mais bem posicionados no ranking, como a Islândia, estão livres da exploração de seres humanos.

A campeã em números absolutos de escravos é a Índia, com pelo menos 13,3 milhões de escravos. A escravidão moderna, segundo a organização, manifesta-se em diferentes ambientes, seja sob a forma de venda e sequestro de pessoas, trabalho forçado e tráfico humano (quando se refere à forma como a pessoa foi levada à exploração severa). A definição de escravidão usada como base para o relatório inclui também práticas como casamentos forçados e exploração infantil.

Quando o problema é mensurado proporcionalmente à população, a Mauritânia, no Oeste da África, e o Haiti, no Caribe, estão no topo da lista. "O Haiti é um caso especial na região" por culpa "de uma história de mau governo, um forte legado de escravidão e de exploração", explica o relatório que acompanha o índice, que levou um ano e meio para ser elaborado e reúne mais de 20 pesquisas globais sobre o tema e dados internos de cada país.

O australiano Forrest, produtor de minério de ferro, resolveu se engajar na causa depois que sua filha foi voluntária em 2008 em um orfanato no Nepal. Ele já doou US$ 260 milhões para a campanha e outras ações do tipo, segundo a Bloomberg.

A ideia é que o índice anual ajude os governos a vigiar o problema.

O estudo analisa em capítulos separados alguns países, entre eles o Brasil, que, apesar de figurar na 94ª posição e ter entre 200 mil a 220 mil escravos, apresenta iniciativas governamentais consideradas modelo no combate à chaga.

 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.