No radar dos suecos

Caça Gripen NG estará sobrevoando o Brasil em 2018, diz executivo da Saab

Sindahl afirma que aeronave "é o melhor produto pelo melhor preço em questão"

20/12/2013 | 21h59

Chefe do segmento de aeronáutica e negócios da Saab, Lennart Sindahl é desde junho o vice-presidente-executivo sênior da empresa sueca, que venceu a licitação dos caças no Brasil.

Ficou só um dia na capital federal, suficiente para se reunir com o comando da Aeronáutica e o ministro Juniti Saito para definir um cronograma até a entrega dos 36 caças Gripen NG. E também ligou para agradecer o prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho (PT), um dos maiores defensores do caça no governo federal. Será na cidade do ABC paulista que o avião será montado. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Zero Hora – Quais as vantagens do Brasil ao escolher o modelo sueco?
Lennart Sindahl – O Gripen foi a melhor opção por uma série de motivos. O primeiro, obviamente é preencher os requisitos que a FAB estabeleceu. A principal é que o Brasil tinha muito interesse na questão da transferência de tecnologias, de conhecimentos tecnológicos. E isso nós podemos fazer, pois temos todo um programa de desenvolvimento nesta área. O que podemos assegurar, também, é que o Gripen NG é o caça mais moderno que você poderá encontrar no mundo, exceto talvez por China e Rússia. Sobre esses países, nós não temos conhecimento. Se o Brasil comprasse um caça de 20 anos, ele teria, na verdade, mais de 30 anos de uso desde o desenvolvimento. Isso não é bom, há custo de manutenção. É preciso algo mais moderno. E o motivo final é o impacto financeiro. É o melhor produto pelo melhor preço em questão. A preocupação em gastar menos com defesa é mundial.

ZH – Há questionamentos sobre o fato de o Gripen NG nunca ter sido usado em combate. O senhor vê nisso um problema?
Sindahl – Não. Ele foi usado em grandes operações, como na Líbia, por exemplo. Eu devo dizer que nenhum dos competidores pode ser questionado pelo uso em combate.

ZH – Existe a possibilidade de a Saab emprestar modelos anteriores do caça para os pilotos se habituarem com o Gripen?
Sindahl – Pelo que sei, há uma discussão entre as forças aéreas de Brasil e Suécia a esse respeito. Eu não tenho nenhum detalhe, mas entendo que isso seja debatido e me parece uma solução realista.

ZH – Existe alguma chance de o modelo já estar obsoleto quando for entregue?
Sindahl – Não, pelo contrário. O que nós entregaremos será o mais moderno que você poderá encontrar naquela data. Justamente por sermos o único competidor com um sistema de desenvolvimento que se mantém ao longo da fabricação.

ZH – Sabemos que Suíça e África do Sul adquiriram caças da Saab. Serão os mesmos modelos que os brasileiros?
Sindahl – O JAS Gripen C/D já está voando na Suécia, Hungria, República Tcheca, África do Sul e Tailândia. Do NG, a Suécia já adquiriu 16 aeronaves. Na Suíça, estamos aguardando por decisões políticas, provavelmente por referendo. O mesmo modelo será para esses três países.

ZH – O senhor assegura que em 2018 o primeiro Gripen NG estará voando no Brasil?
Sindahl – Sim. Talvez antes, dependendo de soluções relacionadas ao inventário. Mas sim, em 2018 estarão sobrevoando o Brasil.

ZH – O senhor considera esta negociação um passo importante para as relações entre Brasil e Suécia?
Sindahl – Sim. Investimento em defesa é primordial para qualquer país. O Brasil é um país imenso e com uma economia em desenvolvimento. Eu acredito em um crescimento da relação entre os dois países em diversos aspectos.

Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.