Em território neutro

Genebra II, conferência sobre a paz na Síria, começa nesta quarta-feira

Reunidos na Suíça, governo e oposição sírios se encontram para dialogar diante de 40 países e de organizações internacionais

22/01/2014 | 00h14

Palco de um tradicional festival de jazz da Europa, Montreux, às margens do lago Léman, na Suíça, reunirá nesta quarta-feira lados opostos de um dos conflitos mais fratricidas das últimas décadas, que já deixou 130 mil mortos.

Leia mais:
Tire suas dúvidas sobre o conflito na Síria

O clima é de ceticismo, e são poucas as chances de que a paz seja selada entre o regime de Bashar al-Assad e a oposição – já será um grande passo se as partes conseguirem conversar.

Novos relatos de atrocidades foram divulgados na terça-feira sob encomenda do governo do Catar, que apoia a oposição síria. Segundo relatório publicado pela rede CNN e pelo jornal The Guardian, o regime de Damasco matou 11 mil presos. A denúncia foi elaborada por três ex-procuradores internacionais com base no testemunho de um desertor da polícia militar síria, que reuniu 55 mil fotos digitais. Os presos morreram em cativeiro e foram fotografados em hospitais militares.

– As fotos lembram as vítimas dos campos de concentração nazistas – afirmou um dos autores do texto, Desmond de Silva, publicado pela rede de TV CNN e pelo jornal The Guardian.

As denúncias expõem a dificuldade de se conseguir um diálogo. Foram oito meses de tentativas para costurar o encontro desta quarta-feira. Na terça-feira, ainda reverberava a polêmica de o Irã ter sido convidado e desconvidado em um intervalo de 24 horas, uma vez que a oposição se nega a conversar na presença do país que fornece ajuda à Síria.

Um dos maiores entraves às negociações é o fato de a oposição estar representada apenas em parte com os integrantes da Coalizão Nacional Síria. Os grupos mais fortes no campo de batalha, islâmicos moderados e radicais, recusam o diálogo – o que tornaria inócuo, por exemplo, um cessar-fogo.

O segundo maior obstáculo é a insistência de Al-Assad em concorrer nas próximas eleições, enquanto os opositores consideram como pré-requisito para qualquer acordo o afastamento do presidente.

– Tentamos garantir que, pelo menos, estejam dispostos a negociar de boa fé – afirmou, em tom de resignação, Farhan Haq, porta-voz da ONU.

Após quase três anos de conflito, o governo sírio ganha força na medida em que se compromete a destruir armas químicas e em que os jihadistas com ligações à Al-Qaeda tomam conta da oposição, o que afasta dos rebeldes países como os Estados Unidos.

– De alguma forma, Al-Asssad garante algum tipo de estabilidade na região, e a opção a ele é mais complexa – analisa o cientista político Leonardo Paz, do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI).

VEJA TAMBÉM

     
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.