JK Iguatemi

Manifestação a favor de "rolezinho" causa fechamento de shopping em São Paulo

Seguranças particulares isolaram o local e advogados de manifestantes alegam racismo

18/01/2014 | 17h01

Uma manifestação a favor dos "rolezinhos" e contra o racismo causou o fechamento do Shopping JK Iguatemi, na zona sul de São Paulo. O shopping funcionava normalmente até o momento em que os manifestantes chegaram em frente ao estabelecimento.

Todas as portas do centro comercial foram fechadas, impedindo, inclusive, a saída das pessoas que estão no interior do prédio. Também não é autorizada a entrada de clientes, lojistas e funcionários. Não há presença da polícia, apenas do corpo de seguranças do estabelecimento.

Alguns manifestantes, que não portavam bandeiras e nem instrumentos musicais, chegaram a pedir aos seguranças autorização para entrar no prédio, o que foi negado.

Leia mais:

Discriminação de "Rolezinho" em São Paulo vira causa de movimentos sociais

"Se fossem jovens de classe média, não seria caso de polícia", diz antropólogo sobre "rolezinho"

Um grupo de advogados das entidades que participam do ato foi à delegacia policial mais próxima para fazer um boletim de ocorrência. Eles alegam que as pessoas passaram por constrangimento ilegal e que o shopping cometeu crime de racismo.

- Qual o crime que essas pessoas cometeram, o crime de vir ao shopping? Para mim, está caracterizado o crime de racismo -, disse o advogado Eliseu Soares Lopez. - Os shoppings agora se equiparam as universidades, porque a universidade seleciona que o branco entra e o preto, não. Os shoppings se equiparam à polícia, porque ela haje de uma forma com o branco e de outra com o negro -, acrescentou.

Na porta do estabelecimento, os manifestantes permanecem reunidos. Eles falam palavras de ordem como "racistas, não passarão" e "abaixo o apartheid".

VEJA TAMBÉM

     
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.