Repercussão da polêmica

Ao ver vídeo de deputado, ministra Maria do Rosário diz que "incitação ao ódio deve ser rejeitada"

Luis Carlos Heinze (PP) sugeriu a agricultores o uso de segurança privada para defender suas terras de indígenas

Atualizada em 13/02/2014 | 11h5213/02/2014 | 11h26
Ao ver vídeo de deputado, ministra Maria do Rosário diz que "incitação ao ódio deve ser rejeitada" Arquivo pessoal/PP
Luis Carlos Heinze (em foto de arquivo) é um dos porta-vozes dos ruralistas gaúchos Foto: Arquivo pessoal / PP

O vídeo com declarações polêmicas do deputado federal gaúcho Luis Carlos Heinze (PP) causou reações no Palácio do Planalto.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos, declarou que "a incitação ao ódio deve ser rejeitada pela sociedade, pois dela resulta, exclusivamente, a violência".

Ela também afirmou que "o respeito à dignidade humana é um princípio constitucional com o qual todas as autoridades públicas assumem compromisso no Brasil".

Assista ao vídeo:

A gravação foi feita em novembro do ano passado, mas só veio a público na quarta-feira, ao ser postada no YouTube em uma versão editada, por um perfil identificado como "Sepé Tiaraju". Nas imagens, Heinze e o deputado federal Alceu Moreira (PMDB) aparecem falando no salão paroquial do município, em uma audiência da Comissão de Agricultura da Câmara.

Saiba mais

"Mantenho o que disse", afirma deputado Luis Carlos Heinze em entrevista

Direção do PP repudia discurso de deputado

Em vídeo, deputado federal gaúcho diz que índios, quilombolas e homossexuais são "tudo o que não presta"

Diante do público, formado em sua maioria por pequenos agricultores, Heinze sugeriu a contratação de segurança privada para manter a posse das terras. Em outro momento, insultou não apenas índios e negros, mas também gays e lésbicas.

Moreira foi menos radical, mas também orientou os produtores rurais a se "fardarem de guerreiros" para se proteger. Como Heinze, foi aplaudido.

Assim que caiu na internet, o vídeo teve repercussão imediata. Em seu site, o Greenpeace Brasil criticou os parlamentares.

Deputados da base do governo Dilma, como Manuela D'Ávila (PC do B), Elvino Bohn Gass (PT) e Henrique Fontana (PT) também questionaram os colegas, especialmente Heinze.

— A julgar pelo que se vê no vídeo, Jair Bolsonaro não é o único do PP que prega o ódio contra negros, índios e homossexuais — afirmou Bohn Gass.

Heinze não voltou atrás no posicionamento (leia a entrevista ao lado). Moreira manteve o discurso, mas fez uma ressalva:

— Em nenhum momento eu incitei a violência. Eu disse para que as pessoas se unissem para protestar.

No fim da tarde de ontem, o caso já havia chegado ao conhecimento do presidente do Conselho de Ética da Câmara, Ricardo Izar Júnior (PSD-SP). Segundo ele, a instauração de um processo disciplinar ainda dependia de representação.

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.