Tensão no Leste

Autoridades da Crimeia pedem calma e pregam "solução pacífica"

Parlamento de república autônoma da Ucrânia foi invadido por grupo armado pró-russo

27/02/2014 | 12h07
Autoridades da Crimeia pedem calma e pregam "solução pacífica" LOUISA GOULIAMAKI/AFP
Ucranianos de nacionalidade tártara, que são minoria na Crimeia, participam de manifestação pró-Ucrânia em Kiev. O cartaz diz: "Crimeia é Ucrânia" Foto: LOUISA GOULIAMAKI / AFP

O primeiro-ministro da república autônoma da Crimeia, Anatoli Mohilyov, pediu calma à população nesta quinta-feira, defendendo uma "solução pacífica" para a crise, após a invasão por um grupo de manifestantes pró-Rússia do parlamento de Simferopol, no sul da Ucrânia.

— Peço calma à população. Precisamos evitar reuniões em massa, há discussões em curso, e precisamos que tudo seja resolvido pacificamente, através do diálogo — declarou Mohilyov à imprensa.

Acompanhado por 15 deputados, ele entrou no Parlamento, onde conversou com membros do comando que tomaram o controle ao amanhecer do local e da sede do governo local, hasteando a bandeira da Rússia, antes de sair.

— Há, no interior do prédio, cerca de cinquenta pessoas. Elas se comportaram de uma maneira correta conosco, mas estão armados. Acredito que são eslavos— acrescentou, ressaltando que não houve vítimas durante a ação que teve início na madrugada desta quinta-feira.

— Fomos informados da presença de veículos blindados fora da cidade, não sabemos nada sobre isso, mas eles não estão se movendo, eles não estão vindo em direção ao centro da cidade — disse o premiê.

O presidente da Medjlis, a assembleia que representa os tártaros da Crimeia, comunidade muçulmana favorável às novas autoridades de Kiev, também pediu calma à população e fez um apelo para que todos evitem comportamentos agressivos nas ruas.

A Crimeia, inicialmente pertencente durante a URSS à Rússia, foi adicionada à Ucrânia em 1954. Ela continua a abrigar a frota russa no Mar Negro em seus bairros históricos, a cidade portuária de Sebastopol.

— Aqui é uma terra russa. O império russo combateu os turcos para conquistar este território. O importante é que haja paz e que um referendo seja organizado para que a gente possa decidir sobre o nosso futuro. Precisamos de uma confederação na Ucrânia: o oeste e o centro são ucranianos, o sul e o leste são russos — declarou um desempregado de 50 anos que se dirigia ao parlamento com uma bandeira russa.

Em Kiev, o presidente interino Olexander Turchynov advertiu a frota russa na Crimeia que vai considerar uma "agressão militar" qualquer movimento de tropas, depois que homens armados pró-Moscou tomaram o controle de prédios governamentais.

— Falo aos chefes militares da frota no Mar Negro: todos os militares devem permanecer no território previsto nos acordos. Qualquer movimento de tropas será considerado uma agressão militar — declarou durante uma sessão no parlamento para confirmar o novo governo.

A Rússia, no entanto, assegurou nesta quinta que respeitará os acordos assinados com a Ucrânia sobre a frota do Mar Negro na região da Crimeia.

— No que diz respeito às declarações sobre a violação por parte da Rússia dos acordos sobre a frota do Mar Negro, declaramos que na difícil situação atual a frota russa do Mar Negro aplica rigidamente os acordos — afirmou a assessoria de imprensa do ministério das Relações Exteriores russo, citado pelas agências russas.

A Crimeia, com população majoritária de língua russa, é a região da Ucrânia onde as novas autoridades do país podem enfrentar mais resistências após a destituição de Viktor Yanukovitch na semana passada.

Na quarta-feira, confrontos foram registrados entre manifestantes pró-russos e partidários das novas autoridades em Simferopol, onde o presidente do Parlamento local descartou qualquer debate sobre uma eventual separação.

O corpo de um homem, aparentemente morto por um ataque cardíaco e sem apresentar sinais de violência, foi encontrado perto do Parlamento durante esses eventos.

Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.