Fauna sob ameaça

Burocracia atrasa proteção do Taim

Telas planejadas para que animais não sejam atropelados não cercam toda a reserva ecológica

24/02/2014 | 04h30
Burocracia atrasa proteção do Taim Fábio Gomes/Especial
Obras nas grades de proteção do Taim comprometem segurança de animais Foto: Fábio Gomes / Especial

As capivaras, animais-símbolo da Estação Ecológica do Taim, no sul do Estado, ainda encontram brechas entre as grades de proteção que ladeiam a BR-471, rodovia de 15,7 quilômetros que rasga o banhado em dois. Assim como elas, tartarugas, ratões-do-banhado, cachorros-do-mato, tuco-tucos, jacarés-do-papo-amarelo, aranhas e mais de 250 espécies de aves têm sido ameaçados pela inconclusão do telamento na rodovia federal, que já dura mais de 10 anos.

A burocracia tem emperrado a reestruturação dos escudos derrubados por uma enchente em 2002. O Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit) só autorizou a obra em 2009, estabelecendo como requisito o respeito ao projeto original do Sistema de Proteção à Fauna implementado em 1998. Assim, depois de anos empilhadas nos fundos da sede da estação, as telas doadas em 2004 pela Gerdau começaram a ser instaladas apenas em julho de 2011.

A obra, orçada em R$ 1,5 milhão, emperrou seis meses depois, faltando 10% para terminar — cerca de um quilômetro, em trechos intercalados, dos 10,2 para os quais está previsto o telamento, segundo o projeto original de amparo à fauna. O sistema estabelece que nos 5,5 quilômetros restantes não haja proteção lateral, apenas túneis subterrâneos para passagem de animais.

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que administra a estação, estima que esses 10% que faltam — em toda a extensão da rodovia, são 25 pontos destelados — poderiam reduzir em mais de 90% o número de mortes de animais. Só em 2013, foram 335 casos — 175 capivaras.

Mata nativa cresceu e será necessária nova licitação

E o serviço está parado até hoje. o contrato com a empresa SBS Engenharia, que executava o trabalho, foi suspenso pelo Dnit em janeiro de 2012, devido à necessidade de se abrir outra licitação para uma nova obra: a supressão da mata nativa que, por causa da demora para o início da restauração do telamento, cresceu em algumas partes da rodovia. A vegetação alta seria, agora, o principal entrave ao fim dos trabalhos. Para suprimi-la e, a partir daí, retomar a instalação das grades de proteção, é preciso autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama).

— Eles exigiram uma enormidade de transplantes de árvores e de plantio compensatório, cujos custos não tínhamos previsto — justifica o engenheiro da Superintendência do Dnit em Pelotas, Vladimir Casa.

Ele diz que a licença já foi solicitada ao setor de Meio Ambiente do Dnit. Quando autorizados, afirma, a licitação para a retirada da mata nativa será aberta. Depois de concluída, o contrato com a SBS será reativado, e a obra de telamento, reiniciada imediatamente.

— Se conseguirmos tirar a vegetação hoje, a colocação das telas será feita amanhã — diz Casa, garantindo que até junho a estação estará protegida.

Quantidade de túneis passa-fauna deve crescer

O telamento, embora inacabado, já tem dado resultados: desde que as equipes começaram a monitorar, em 2010, o ano passado foi o que menos registrou bichos mortos por atropelamento. Ainda assim, 335 animais mortos é um número considerado alto pelo analista ambiental do ICMBio e chefe da estação, Henrique Ilha. Uma das causas apontadas por ele é o fato de a rodovia ser reta, sem curvas, convidando os motoristas a exceder a velocidade permitida de 60km/h.

Outras medidas estão sendo propostas pelo órgão para diminuir o número de atropelamentos de animais: aumentar a quantidade e o diâmetro dos 19 túneis passa-fauna, instalar tachões que impeçam as ultrapassagem de veículos e implementar novos radares eletrônicos. Em média, por mês, 31,5 mil carros percorrem o trajeto que liga Rio Grande a Santa Vitória do Palmar.

Além disso, agora que o ICMBio se certificou de que os túneis são realmente eficazes para a travessia de animais, a ideia é remodelar o projeto original do Sistema de Proteção à Fauna, que prevê um trecho propositalmente destelado. Ainda neste semestre, especialistas devem visitar a estação para, junto ao órgão, propor que esse espaço também seja protegido.

— Não tínhamos a confirmação de que os túneis funcionavam de verdade. E prevíamos que as telas poderiam ter furos ocasionados por outros desastres ambientais ou acidentes de trânsito. Então, se algum bicho por ventura chegasse à rodovia por algum desses vãos, ficaria empenhado, não conseguiria voltar ao banhado — explica Ilha.

Segundo ele, no plano inicial, os motoristas deveriam aprender, com placas informativas, controladores de velocidade e campanhas de conscientização, a conviver com os animais na pista.

Notícias Relacionadas

Proteção na estrada 24/10/2013 | 06h

Mutirão tenta reduzir morte de animais no Taim

Grupo cobra soluções contra atropelamentos perto da reserva no Sul

Fogo 27/03/2013 | 14h44

Incêndio atinge Estação Ecológica do Taim, no sul do Estado

Equipes de fora do Estado ajudam no combate às chamas

Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.