Opinião

Carlos Wagner: trabalho infantil é um crime secular no Brasil

Jornalista de Zero Hora analisa o histórico da exploração da mão de obra infantil no país

23/02/2014 | 14h12

Nos quatros cantos do Brasil, o uso da mão obra de infantil no meio rural é uma prática que vem de longos tempos. No Rio Grande do Sul, nasceu e consolidou-se entre os pequenos proprietários.

Nos últimos anos, a mecanização das propriedades rurais, somada à vigilância das autoridades, tem diminuído muito esse tipo de prática. Mas ela ainda continua, especialmente entre os trabalhadores safristas - principalmente aqueles que levam a família inteira para o trabalho.

O quadro brasileiro do trabalho infantil no meio rural é sério. No norte, as crianças são usadas nas carvoarias - fornos que queimam toras de árvores que viram carvão usados nas metalúrgicas do Eixo Rio/São Paulo. No nordeste, elas ajudam a família na lavoura de mandioca e plantações de frutas. No Oeste, as crianças ajudam os pais safristas nas grandes lavouras de soja e algodão.

E no Sul, as ocorrências de trabalho infantil acontecem com maior frequência em locais afastados, em regiões de florestamento. Agora se sabe que também na colheita da cebola isso acontece.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.