Risco na prevenção

Após vacina contra o HPV, três meninas apresentam reação alérgica no Estado

Lote que imunizou duas das garotas foi retirado de circulação na terça-feira

Atualizada em 27/03/2014 | 13h5427/03/2014 | 12h33

A Secretaria Estadual de Saúde está investigando três possíveis reações alégicas à vacina contra o Papiloma Vírus Humano, o HPV. Uma menina que sofreu convulsão, em Veranópolis, e duas que tiveram choque anafilático, em Porto Alegre. As meninas já foram atendidas e passam bem.

Os casos estão sendo avaliados pelo Centro de Vigilância Epidemiológica do Rio Grande do Sul. A secretaria garantiu que está tomando as medidas necessárias, embora tenha optado por não esclarecer quais.

Segundo a secretária estadual da Saúde, Sandra Fagundes, as duas meninas de Porto Alegre tomaram o mesmo lote da vacina, que foi retirado de circulação na terça-feira.

O efeito adverso é previsível, e são três casos entre 111 mil meninas que já foram vacinadas. A orientação é de que os pais continuem autorizando as crianças a tomarem a vacina na escola  afirma Sandra. 

A vacina, aplicada em meninas entre 11 e 13 anos, é oferecida gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS) e previne o câncer de colo do útero. A aplicação da primeira dose da vacina vai até 10 de abril. A estimativa é que o RS tenha cerca de 258 mil meninas dentro da faixa etária alvo da campanha.

Tire suas dúvidas:

O VÍRUS

O que significa HPV?

É a sigla em inglês para Papilomavírus Humano, vírus responsável pela doença sexualmente transmitida mais comum no mundo, causando tumores benignos e malignos. Existem mais de 100 tipos de HPV, sendo que 16 têm potencial para causar câncer.

Qual a incidência?

Estima-se que mais de 70% das mulheres entrarão em contato com o HPV ao longo da vida.

Quem tem HPV terá câncer?

A maioria não. A infecção pelo HPV é muito frequente, mas costuma ser transitória. Entre 60% e 70% dos casos das pessoas contaminadas eliminam o vírus espontaneamente.

A VACINA

A vacina protege contra todos os tipos de HPV?

Não. Protege contra quatro tipos, dois capazes de provocar câncer e dois relacionados ao aparecimento de verrugas. Os tipos 16 e 18, cobertos pela vacina, estão presentes em 70% dos casos de câncer do colo do útero.

Por que o Ministério da Saúde estabeleceu a faixa etária de 11 a 13 anos para a vacinação?

O ideal é que a vacina seja aplicada antes do início da vida sexual. Nas meninas não expostas aos tipos de HPV 6, 11, 16 e 18, segundo o Ministério da Saúde, a vacina tem eficácia de 98,8%.

Como será a implantação da vacina?

Neste ano, a população alvo da vacinação contra HPV serão adolescentes do sexo feminino na faixa de 11 a 13 anos. Em 2015, serão vacinadas as adolescentes na faixa etária de nove a 11 anos e, a partir de 2016, as de nove anos de idade. Cada adolescente deverá tomar três doses para completar a proteção, sendo a segunda seis meses depois da primeira, e a terceira, cinco anos após a primeira dose.

Como a vacina é administrada?

Por injeção intramuscular - injeção de apenas 0,5 mL em cada dose.

Quem faz a vacina pode deixar de fazer o Papanicolau?

Não. A vacinação é uma ferramenta de prevenção primária e não substitui o rastreamento do câncer de colo do útero em mulheres na faixa etária entre 25 e 64 anos. É importante manter a realização do exame preventivo (Papanicolau), pois as vacinas protegem apenas contra dois tipos de HPV que provocam câncer, responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer de colo do útero.

Mesmo vacinada, será necessário utilizar preservativo durante a relação sexual?

Sim, pois é imprescindível manter a prevenção contra outras doenças transmitidas por via sexual, como HIV, sífilis, hepatite B, etc.

A camisinha é suficiente para proteger contra o HPV?

Nem sempre, porque o HPV pode estar alojado em regiões em que a camisinha não alcança, como o saco escrotal e a região anal.

A vacina contra HPV pode ser administrada ao mesmo tempo com outra vacina?

A vacina HPV pode ser administrada simultaneamente com outras vacinas do Calendário Nacional de Vacinação, sem interferências na resposta de anticorpos a qualquer uma das vacinas. Quando a vacinação simultânea for necessária, devem ser utilizadas agulhas, seringas e regiões anatômicas distintas.

NÚMEROS

5,2 milhões

é o número da população feminina de 11 a 13 anos estimado pelo Ministério da Saúde como público-alvo da campanha de vacinação no Brasil

258 mil

é o número de meninas alvo da vacina no Rio Grande do Sul

80%

é a meta de vacinação esperada para 2014

é o lugar ocupado pelo câncer de colo de útero entre a população feminina do país, atrás do câncer de mama e do colorretal, e a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil.

Fontes: Ministério da Saúde, Instituto Nacional do Câncer, Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia das Doenças Associadas ao Papilomavírus, Secretaria Estadual da Saúde, professor de medicina da UFRGS Paulo Naud.

Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.