União na dor

Japão recorda três anos do tsunami e do acidente nuclear de Fukushima

Apenas 3,5% das pessoas que perderam residências puderam voltar para casa

11/03/2014 | 08h28
Japão recorda três anos do tsunami e do acidente nuclear de Fukushima YOSHIKAZU TSUNO/AFP
Japoneses fazem homenagem em altar improvisado nas proximidades da usina de Fukushima Foto: YOSHIKAZU TSUNO / AFP

Os japoneses recordaram nesta terça-feira o terceiro aniversário do terremoto e do tsunami de 11 de março de 2011, que provocou um acidente nuclear e deixou 20 mil vítimas em apenas um dia. Às 14h46min locais (2h46min de Brasília), horário extado do terremoto de 9 graus de magnitude na costa nordeste do Japão, todo o país respeitou um minuto de silêncio.

Em Tóquio aconteceu uma cerimônia oficial de recordação das vítimas, na presença do imperador Akihito e de sua esposa, assim como do primeiro-ministro Shinzo Abe. Mais de 20 mil pessoas morreram no maremoto que devastou o litoral de Miyagi, Iwate e Fukushima, que abriga um complexo nuclear e que desde então virou, para muitos, sinônimo de desastre atômico.

— Nossos pais continuam desaparecidos. Não acredito que vamos conseguir encontrá-los, mas viemos participar na busca porque queríamos fazer algo para ajudar — explicou Miho Suzuki, ex-moradora da cidade de Namie, atualmente desabitada.

As explosões de hidrogênio e as radiações do complexo de Fukushima Daiichi não provocaram vítimas diretas, mas nas horas e dias seguintes ao acidente morreram quase 1.650 pessoas.

Três anos depois, o complexo nuclear permanece devastado, a reconstrução demora a acontecer e muitos corpos não foram localizados. Quase 270 mil pessoas ainda não receberam autorização para retornar a suas casas, destruídas pelo tsunami ou consideradas inabitáveis pela radioatividade. Mais de 100 mil pessoas, muitas delas idosas, permanecem em casas provisórias pré-fabricadas.

Apesar das promessas do governo, muitas vítimas devem continuar mais alguns anos sem uma residência. Até o momento, apenas 3,5% das novas casas previstas foram construídas nas províncias de Iwate e Miyagi.

— Estou determinado a acelerar a reconstrução. A revitalização do Japão não pode acontecer sem que as regiões devastadas levantem novamente — disse o primeiro-ministro Shinzo Abe na segunda-feira no Parlamento.

Uma pesquisa do canal público NHK mostra que 95% dos japoneses ainda estão preocupados com a situação da central de Fukushima Daiichi e 80% pensam que a energia nuclear no país deve ser reduzida ao mínimo possível.

Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.