Rio de Janeiro

Não há prazo para permanência das tropas federais no Complexo da Maré, diz ministro da Justiça

Detalhes da operação militar em área previamente estabelecida estão sendo acordados

24/03/2014 | 21h02

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que não há prazo para a permanência das tropas federais no Complexo da Maré, zona norte do Rio de Janeiro:

— Vamos ficar o quanto for necessário para o cumprimento dessa primeira etapa e os prazos são ajustáveis a essa necessidade.

Leia mais:
Batalhões da PM ocupam morros na zona norte do Rio de Janeiro
Governo do Rio de Janeiro pede apoio federal após ataques a UPPs

A primeira etapa a qual ele se refere é a ocupação da Maré pelas forças federais para preparar a implantação da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), prevista para o segundo semestre deste ano. O Complexo da Maré já possui um Batalhão próprio, o 22º BPM, com cerca de 600 policiais que, com a chegada das Forças Armadas, deverão se submetidas às decisões federais. Perguntado sobre a relação entre os ataques à UPP do Mandela, no Complexo de Manguinhos, na Zona Norte, e a ocupação do Complexo da Maré, o governador do Rio, Sérgio Cabral, foi evasivo:

— Direta e indiretamente (a ocupação da Maré) tem a ver com as ações em Manguinhos.

Cardozo e Cabral estiveram reunidos no Centro Integrado de Comando e Controle, no centro do Rio, com o chefe do Estado-Maior conjunto das Forças Armadas, general de Exército, José Carlos de Nardi e a secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki, além de representantes das Polícias Civil, Militar, Federal, Rodoviária Federal. Os detalhes da Garantia da Lei e da Ordem (GLO), operação militar em área previamente estabelecida e com prazo limitado, ainda estão sendo acordados.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.