Na Justiça

PMs que prestaram depoimento no Caso Amarildo dizem ter recebido ordens para ficar no contêiner de apoio da UPP

Audiência durou cerca de sete horas, e juíza ouviu depoimentos de três testemunhas de acusação

12/03/2014 | 23h49

Os três soldados da Polícia Militar, que prestaram depoimento nesta quarta-feira, na audiência de instrução do caso de desaparecimento do auxiliar de pedreiro Amarildo da Silva, no dia 14 de julho do ano passado, disseram ter recebido ordens para ficar no contêiner de apoio da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha e ouviram gritos e murmúrios por cerca de 40 minutos, originados do contêiner principal.

Leia mais:
>>> Justiça do Rio declara morte presumida de Amarildo

A audiência durou em torno de sete horas, durante as quais a juíza Daniella Alvarez, da 35ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, ouviu os depoimentos das três testemunhas de acusação e dispensou outras três.

O primeiro a depor foi o soldado Alan Jardim, que falou por três horas e 45 minutos. A soldado Dezia Juliana da Costa prestou depoimento por duas horas e a última a ser ouvida, a soldado Carolina Martins, depôs por uma hora e 40 minutos.

Das 20 testemunhas de acusação arroladas pelo Ministério Público, a juíza dispensou hoje a policial civil Alik Rachel Amorim, o major PM Fábio Alexandre e a inspetora da Polícia Civil Alessandra Vale. A imprensa não foi autorizada a acompanhar a sessão, e as informações foram repassadas pela assessoria do tribunal. A juíza ainda não marcou a data da próxima audiência.

Na primeira audiência, no dia 20 de fevereiro, foram ouvidos o delegado Rivaldo Barbosa, diretor da Divisão de Homicídios, a delegada Ellen Souto e o inspetor de polícia Rafael Rangel.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.