Estados Unidos

Sobe para sete número de mortos por desabamento de edifícios em Nova York

De acordo com autoridades, quatro mulheres e três homens morrerar no incidente

13/03/2014 | 11h33
Sobe para sete número de mortos por desabamento de edifícios em Nova York Andrew Burton/Getty Images/AFP
Explosão ocorreu na manhã de quarta-feira Foto: Andrew Burton/Getty Images / AFP
O número de mortos pela explosão e desabamento de dois edifícios em Nova York subiu nesta quinta-feira a sete, após a descoberta de outro corpo entre os escombros, onde as equipes de resgate prosseguiam com os trabalhos de busca.

A polícia de Nova York indicou pela manhã à AFP que o novo saldo da tragédia, ocorrida devido a um vazamento de gás no Spanish Harlem, um histórico bairro de Manhattan de maioria latina, é de quatro mulheres e três homens mortos e 68 feridos.

Ainda há um número indeterminado de pessoas desaparecidas, acrescentou a polícia. Na noite de quarta-feira, a prefeitura havia falado de três mortos e nove desaparecidos. Desde então, outros quatro corpos foram encontrados.

Nesta quinta-feira, 100 bombeiros ainda estavam mobilizados no cruzamento da avenida Park e da rua 116, no East Harlem, assim como efetivos policiais e equipes de emergência.

Duas das cinco vítimas fatais seriam mexicanas, segundo a secretaria de Relações Exteriores mexicana.

— Foi registrado o falecimento de duas pessoas do sexo feminino e se tem conhecimento de uma terceira pessoa do sexo masculino que está hospitalizada. Todas elas sob a presunção de ser nacionais mexicanas— , indicou a chancelaria mexicana em um comunicado.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, descreveu o incidente como — uma tragédia da pior espécie —

A forte explosão provocou um tremor, como se houvesse ocorrido um terremoto, que lembrou a alguns os horrores dos atentados de 11 de setembro de 2001, contaram testemunhas à AFP.

Um dos edifícios tinha nove apartamentos e o outro seis, disse o prefeito em uma coletiva de imprensa perto do local.

Entre os feridos havia pelo menos dois em estado crítico, segundo um balanço da AFP através de informações recolhidas em diferentes centros hospitalares.

Um porta-voz da polícia explicou à AFP que a primeira chamada de emergência foi recebida na quarta-feira às 09h34 locais.

Já a empresa de energia Con Edison disse ter recebido um alerta de possível vazamento de gás às 09h13 locais.

Logo depois ocorreu a explosão, que não pôde ser evitada, segundo as autoridades.

Prefeito afirmou que mobilizará esforços para localizar os desaparecidos

O prefeito De Blasio, à frente da prefeitura desde janeiro, destacou a grande ansiedade vivida neste momento, mas indicou que todos os esforços foram mobilizados para encontrar os desaparecidos.

Jay Virgo, de 30 anos e que vive com sua esposa em frente aos edifícios destruídos, contou à AFP que estava na cama quando a explosão o lançou ao chão.

— Me levantei, coloquei o casaco e sai correndo. Na rua vi duas pessoas deitadas no chão. Havia pedaços de vidro por toda parte, grandes pedaços de vidro. Era uma loucura — , afirmou.

Sua esposa, Jazzmen Arzuaga, também de 30 anos, indicou que estava no trabalho quando Virgo telefonou para contar o ocorrido.

— Me telefonou e disse 'Deus, você tem que vir para casa imediatamente, é como a Segunda Guerra Mundial. Há gente morrendo, houve uma explosão'. Eu sai correndo — , afirmou Arzuaga.

Outra testemunha, Robert Santiago, declarou à rede CBS que também estava dormindo quando, subitamente, a explosão sacudiu sua cama.

— Cheirava muito mal — , disse. — Pensei que o mundo estava acabando, que se tratava de um terremoto ou de algo parecido. Terrível — , disse.

Os serviços de trens entre Metro-North e o terminal Grand Central de Manhattan, suspensos pelo incidente, foram retomados várias horas depois.

A cidade de Nova York é muito sensível a este tipo de explosão desde os atentados de 11 de setembro de 2001 contra as Torres Gêmeas do World Trade Center que deixaram 3 mil mortos.

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.