Torres

Ao sair do hospital, mãe que fez cesariana contra vontade diz que se sente roubada

Mãe relatou que médico que realizou sua última cesariana havia lhe indicado não passar novamente pelo procedimento

03/04/2014 | 13h33
Ao sair do hospital, mãe que fez cesariana contra vontade diz que se sente roubada Bruno Alencastro/Agência RBS
Foto: Bruno Alencastro / Agência RBS

No colo da mãe e coberta por uma mantinha vermelha, Yuja Kali saiu do Hospital Nossa Senhora dos Navegantes às 13h desta quinta-feira. Na porta do hospital, Adelir Lemos de Goes, 29 anos, que foi submetida a uma cesariana contra a sua vontade, disse que se sentia roubada.

— Vou processar o hospital porque roubaram meu direito — afirmou.

Leia mais:
Para juíza que decidiu pela cesariana, direito à vida é preponderante
Justiça obriga grávida a fazer parto cesariana em Torres
PARTICIPE: qual sua opinião sobre a decisão da Justiça?
Doulas de parto: conheça um pouco do trabalho delas

A mãe relatou que o médico que realizou sua última cesariana havia indicado que ela não deveria realizar nova cirurgia num próximo parto, por isso, ela buscou informações sobre o parto humanizado e pretendia fazer o parto natural.

Na madrugada de terça, quando já estava em trabalho de parto, Adelir foi retirada de casa por policiais em cumprimento a uma ordem judicial para reavaliação e foi submetida à cesariana. A família e a doula que acompanhava a gestação desde a 34ª semana questionaram os argumentos médicos que embasaram a decisão judicial.

Nesta manhã, Zero Hora esteve com a obstetra Joana de Araújo, que fez o parto, mas ela não quis conceder entrevista. O diretor técnico do hospital, Marcelo Fagundes, voltou a reforçar que a decisão tinha embasamento em exames médicos como ecografia e exame obstétrico de toque.

Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.